terça-feira, 27 de setembro de 2016

Coelho ao ataque



"REPARTIÇÕES DE FINANÇAS
SÃO CEMITÉRIOS DE EMPRESAS"


O deputado do PTP Madeira, José Manuel Coelho, comparou as repartições de finanças regionais a autênticos cemitérios de empresas.

José Manuel Coelho, deu o exemplo, de um imigrante da Venezuela que investiu as poupanças de uma vida na sua terra natal, mais precisamente no Concelho de Santa Cruz, e que por um incumprimento fiscal perdeu tudo aquilo que tinha, derivado às elevadas multas e coimas aplicadas.

Em contrapartida os grandes grupos económicos, pouco ou nada pagam em termos fiscais, tendo as suas empresas e dinheiro protegidos nos famigerados paraísos fiscais, são as pequenas e médias empresas juntamente com a classe média que carregam o pesado fardo de suportar a máquina do Estado, disse o deputado trabalhista.

O deputado do PTP, aproveitou também para alertar os imigrantes para que pensem duas vezes antes de investir o seu dinheiro na Região, uma vez que podem perder as poupanças de uma vida, graças à implacável máquina fiscal. 

As políticas de atração de investimento levada a cabo pelo Governo é um embuste, tendo em conta a política fiscal em vigor, finalizou o deputado do PTP.
Texto PTP

Balanço



Mercadinho  - Delegação de Machico do Núcleo Regional da Madeira da Liga Contra o Cancro



Machico, 27 de setembro de 2016 - A delegação de Machico do Núcleo Regional da Madeira da Liga Contra o Cancro realizou nos dias 23, 24 e 25 de setembro o seu primeiro mercadinho, sendo o desfecho muito positivo, na medida em que superou a expetativa da organização para esta primeira edição.
O evento, que teve lugar na Praça do Município, recebeu um grande acolhimento da população, não só ao nível da compra de material confecionado por utentes e voluntários, dos comes-e-bebes e de donativos, como também na participação na animação musical proporcionada nas noites de sexta e de sábado, em que se registou uma grande interação entre o público e os grupos e artistas que se disponibilizaram para colaborar com o Núcleo Regional da Madeira da Liga Contra o Cancro.
De referir que esta iniciativa teve por objetivo alertar e sensibilizar a população para a prevenção do Cancro, constituindo-se também como um ponto de encontro, convívio e partilha de experiências por pessoas que convivem de perto com esta doença, bem como uma forma de angariação de fundos.
A abertura oficial decorreu na sexta-feira com a presença do presidente da Câmara Municipal e demais entidades oficiais locais, assim como da presidente da empresa Investimentos Habitacionais da Madeira e do presidente do Núcleo Regional da Madeira da Liga Contra o Cancro.


Press release

VENDENDO PENTES A CARECAS






Cafôfo e Jesus promovem o destino Madeira nos suplementos em português e na imprensa regional. Uma escalada promotora do nosso turismo que vai ao ponto de ser a Câmara a distribuir um jornal da praça.





HOSTEL MUNICIPAL E DESGOVERNO
PROMOVEM DESTINO MADEIRA
JUNTO DOS 250 MIL 
RICAÇOS MADEIRENSES



É a promoção turística mais agressiva de sempre: em vez de propagandearem o destino Madeira nos mercados potencialmente geradores de hóspedes, Paulo Cafôfo e Eduardo Jesus lançam uma revolucionária campanha na imprensa regional, se calhar julgando que há muitos ricaços escondidos no Establishment tabanqueiro, capazes de aderir aos programas de turismo dentro da ilhota. 
O espavento da propaganda vai ao ponto de a câmara do Funchal ter passado a manhã a distribuir o DN gratuitamente nas ruas mais movimentadas, resultado do excelente entendimento entre os vários parceiros do consórcio alargadíssimo emergente do pós-jardinismo.
Possivelmente por deficiente visão do estado a que isto chegou, o Mayor do Funchal e o secretário que tutela o turismo meteram-se na cabeça que os madeirenses e os funchalenses são uns forretas com muita 'pasta' escondida, embora se armem em pobres, ao sem-abrigo, doentes sem assistência, desempregados e emigrantes. Outra conclusão não se pode retirar da investida promocional a que o desgoverno e o hostel funchalense, perante o silêncio da outrora perseguida e torturada desoposição, meteram ombros no plano regional. As belezas da Tabanca têm sido crescentemente relevadas pelos dois órgãos com competências no turismo, a ver se a populaça endinheirada abre os olhos para o paraíso onde vive, a começar pelos turistas que trabalham na hotelaria madeirense e que estão a reclamar ordenados mais elevados só porque os hoteleiros falam muito em recordes de dormidas e de receitas.
Hoje então, os dignitários executivos transformam o Dia Mundial do Turismo em Dia Madeirense do Turismo, vendendo paisagens regionais a um público-alvo regional.
É com os olhos postos nos seus munícipes que Mayor Cafôfo lança, na capa falsa do DN, o fenomenal 'Funchal card', que "como o próprio nome indica", diz a propaganda cafofista, "será um cartão turístico que associa as principais atracções da cidade a um conjunto de serviços turísticos e experiências de qualidade comprovada." Portanto, é comprar o card e juntá-lo ao passe dos HF ou da sopa do Cardoso e desfrutar das belezas regionais e das "experiências de qualidade comprovada".
Quanto aos mercados potencialmente geradores de hóspedes e utilizadores do que "a cidade tem de melhor", depois logo se vê. Primeiro é preciso pagar, com o dinheiro dos ricos funchalenses, a propaganda dirigida ao target da viloada.
Eduardo Jesus não se deixa ficar para trás. O espertalhão do Cafôfo paga as capas e contracapas do matutino sul? Pois então reservem lá 8 páginas centrais, que é para os potenciais clientes madeirenses saberem que a Madeira detém a liderança nacional na ocupação, à conta dos seus eventos renovados que atingem recordes e de locais-chave como o Mercado dos Lavradores - ali à mão de semear e que os madeirenses praticamente desconhecem.   
A sério: os cavalheiros avaliam-nos com base na vida lá no desgoverno e no hostel dos hippies, onde em tão pouco tempo se formaram vagas de passageiros frequentes que passam mais tempo fora do que nos domínios do Establishment.
E, quando estão cá, é em permanente campanha eleitoral, à custa dos 'ricaços' que passam fome. Fingindo que vendem pentes a carecas.
Cabe perguntar: quanto nos vai custar esta campanha eleitoral do Pepsodent e do desgoverno quando ainda faltam mais de um ano para as autárquicas e três para as regionais?! 


DO POÇO DA NEVE AO RIBEIRO FRIO


Percurso de descoberta e interpretação da Natureza.
Cerca de 10 km.
Início no Poço da Neve (1630 metros de altitude).
Passagem pelo Pico dos Melros, Cabeço da Lenha e Balcões.
Final no posto florestal do Ribeiro Frio (630 metros de altitude).
Ilha da Madeira - 24.09.2016

RaimundoQuintal

Munícipes do Funchal!



O nosso dinheiro




32 mil euros do Orçamento da CMF torrados em publicidade em dez dias.
A Câmara do Funchal repete hoje, 27 de setembro, a receita do passado dia 18, comprando quatro páginas, incluindo capa falsa ao ‘independente’.

Dá gosto ter autarcas de enorme calibre, responsabilidade e sentido de prioridade.

Filipa Manuel

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

PAULO MARTINS




Paulo Martins. Um Espaço dedicado ao Debate, à Cidadania e à Cultura. Participaram, nesta inauguração, Catarina Martins, a família de Paulo Martins, ativistas do Bloco e Deputados e Autarcas de várias áreas políticas.








PS - Guida, Joana, Roberto, Catarina: obrigado emocionado de um eterno Amigo do Paulo. 

Lá vai barão...





Prepare-se o Leitor: há sérias ameaças de que vamos entrar com mais dinheiro para o negócio do 'jornalismo'. Se o JM está com nova estratégia, lá vai o Cafôfo alargar o 'programa de suplementos municipais' (textos que cabem em duas colunas de alto a baixo mas ocupam 4, 8 e mais páginas, para atingir a verba 'negociada'). Rezemos a todos os santos para que o Jornal não continue com estas peças incómodas. Se continua, lá vai a Mudança entrar com o nosso 'cacau' para eles, no lado norte da Fernão de Ornelas, também fecharem os olhos ao grande flop desta câmara.
Esta novidade da Frente Mar não é... novidade. Adivinhem onde já foi denunciada. Mas o problema é o JM agora 'pegar' nestas matérias. 

Acção partidária





SUBSÍDIO DE MOBILIDADE



Quando a classe Business é mais barata que a classe Economy Discount

Domingo , 25 de setembro 

COMO A TAP SE APROVEITA DO SUBSÍDIO DE MOBILIDADE

Que este novo subsídio de mobilidade aparenta estar inquinado à partida, é algo que todos nós já sabíamos. Mas ver, preto no branco, que a TAP assalta os cofres públicos de forma despudorada e gananciosa, não estava na expectativa do comum dos madeirenses.
Mas quando a TAP coloca à venda no segmento Funchal/Lisboa bilhetes na classe Economy Discount mais caros do que na classe executiva ( Business class) para o mesmo voo, então fica claro que o modelo de apoio à mobilidade área, não passa de um embuste que privilegia concreta e objetivamente a transportadora aérea nacional. Quais as contrapartidas que a TAP oferece e a quem,  é coisa que nem queremos pensar!
A coisa é assim: se eu comprar o bilhete em classe econômica tenho direito ao subsídio de mobilidade – logo pago 214,39€ (mas tenho direito ao diferencial dos 86 €). Se eu for em classe executiva pago mais barato – 198,39€ - e fico sem direito a subsídio. (Simulação realizado ontem para um voo para a próxima semana) Não é de todo admissível que a classe Discount seja mais cara que a executiva, apenas para sacar ao erário público!
Este assalto aos 11 milhões reservados para o subsídio de mobilidade aos residentes na Região Autónoma da Madeira por parte da TAP tem de ser denunciado e tem de servir para a reformulação total do mesmo!


Inês Freitas

domingo, 25 de setembro de 2016



O Funchal continua frágil, 
demasiado frágil!


Ribeira de Santa Luzia – 22.09.2016



Em 1804 o brigadeiro de engenharia Reinaldo Oudinot (1747 – 1807), escreveu no “Plano das obras e providencias necessarias para o reparo das ruinas causadas na Ilha da Madeira pela aluvião do dia 9 de Outubro de 1803”, que “todo o projecto de obras será  malogrado, todas as esperanças, que se fundarem nellas serão chimericas, se desde já  constante e severamente se não trabalhar até conseguir o fim que anunciei; e elle se não conseguirá  sem que se restabeleção as matas, a cuja destruição se deve atribuir a principal e talvez unica causa das ruinas da Ilha.”

Passados dois séculos, as muralhas das ribeiras construídas sob a sua sábia orientação no centro do Funchal estão sendo forradas com betão. A montante, os canais de escoamento continuam perigosamente estrangulados, as íngremes vertentes estão calcinadas e a serra mantém-se escalvada.

O Funchal continua frágil, demasiado frágil!

Ribeira de Santa Luzia – 22.09.2016


03.JPG
Ribeira de Santa Luzia – 22.09.2016


Ribeira de Santa Luzia – 22.09.2016

Vista do Funchal através do vale da Ribeira de Santa Luzia – 24.09.2016


Raimundo Quintal, 25.09.2016

sexta-feira, 23 de setembro de 2016


UMA PRECIOSIDADE BOTÂNICA EXCLUSIVA DA ILHA DA MADEIRA

O género Muscchia possui três espécies, que são endémicas do arquipélago da Madeira.
Uma tem a sua área de distribuição limitada à Deserta Grande. Duas habitam na Ilha da Madeira.
Musschia wollastonii, conhecida como tangerão-bravo, vive nos ambientes húmidos e sombrios da floresta Laurissilva.
Aqui vai um pequeno vídeo, com imagens captadas ontem, desta preciosidade botânica exclusiva da Ilha da Madeira.

Raimundo Quintal

'DESAFIOS DA AUTONOMIA'



Albuquerque vai intervir
nas jornadas parlamentares do PSD



O grupo parlamentar do PSD-M leva a efeito, segunda-feira e terça, as suas jornadas parlamentares dedicadas ao tema 'Desafios da Autonomia". Os trabalhos decorrerão na sede social-democrata de Câmara de Lobos, com intervenções do líder do partido, Miguel Albuquerque, Sérgio Marques, Rubina Leal, Jaime Filipe Ramos, Pedro Coelho, Tranquada Gomes e os 3 deputados em Lisboa. 

DESAFIANDO A FALTA DE VENTO



ONTEM













HOJE






 AGORA

A extreme salling series "a ver navios!!!". "Quase 300 mil euros para um evento de vela numa baía que 95% do ano não tem vento... e ninguém vai preso? Anda tudo louco? O resultado é este, uma marina de veleiros na baía "aberta", a atrapalhar as operações dos operadores do Porto do Funchal.
- Comentário chegado aqui

'POR SANTANA DENTRO'



'UNIVERSIDADE DE VERÃO' NO OUTONO
É ESCOLA DE ADULTOS DO CDS

Uma chusma de democrata-cristãos, com alguns social-democratas na caravana, vai este fim-de-semana 'por Santana dentro' com a ideia de dar corpo à Universidade de Verão da Juventude Popular. O que, em primeira análise, suscita a preocupação de suspeitar que os jovens PP estejam a ganhar o mau costume dos seus seniores, que chegam sempre atrasados aos programas de actuação.
É que esta Universidade de Verão decorre no Outono, já com as folhas do famoso milho santanense a cair pelos poios pr'a lá. 
Pode acontecer que a malta da Jota Popular conheça as unidades com quem conta lá dentro e então já esteja a dar o desconto, determinando os horários das aulas à luz dos costumes da Universidade salmantina.
O panorama que se prevê para Santana é um cozido de atrasados. Rui Barreto atrasou-se na última corrida interna, deixando seguir Lopes da Fonseca em frente. Nuno Melo fez o mesmo com Assunção Cristas. Um partido de atrasados que nunca mais chegam ao destino. Muita parra e zero uva.
Estaremos perante uma escola de adultos talhados para eternos repetentes?
Já entre os convidados extra-partido,  alguns estão a adiantar-se na aproximação ao PP, porque isto está mau para todos.
Bons tempos em que o Maurílio fazia furor com o CDS na Calheta e a cambada da Mouraria ia toda para lá fazer as festas e outros números - deve estar a contorcer-se Teófilo Cunha. É que, tendo ganho a Câmara nortenha graças a si próprio, Teófilo vê-se agora obrigado a dar constantemente guarida à nova clique democrata-cristã e seus comparsas sem-terra.

DE CABEÇA NO AR




SÚCIAS VÃO PEDIR À MINISTRA
URGÊNCIA NOS TESTES AÉREOS
QUE CARLOS PEREIRA 
DEU COMO ACERTADOS



Desde o domingo véspera do Monte que ando de cabeça no ar à espera de ver evoluir nos céus do anfiteatro as avionetas destacadas para os testes de combate aéreo aos incêndios, que o socialista Carlos Pereira, após os seus contactos em Lisboa, se sentiu em condições de "anunciar aos madeirenses".
O líder socialista das horas vagas deu tal ênfase à sua façanha que mereceu o seguinte destaque:


DN 14 de Agosto




Até hoje, não vi manobras aéreas por aí. 
É certo que o "anúncio" que Carlos Pereira se sentiu em condições de fazer, após o seu contacto tu-cá-tu-lá com algum secretário de Estado, informa que os testes serão até ao fim do ano. Mas há um problemazinho: o fogoso Carlos César, talvez para se despachar da encomenda, deu uma mãozinha na altura, dizendo que o projecto de resolução sobre o assunto deveria ser "discutido e aprovado" no mês de Setembro. Caminhamos para Outubro e nada vemos: nem projecto aprovado nem avionetas no ar.
Sim, Setembro ainda tem uma semana de vida, e tudo pode acontecer ainda com aqueles loucos da geringonça. Mais: o fim do ano vem longe, dá tempo para muitos testes. O pior é o outro problemazinho, uma peça que vemos hoje no JM sobre o mesmo assunto, indiciadora de que o tema está cada vez mais na mesma:



JM de hoje


Então! Depois das parangonas a mostrar que Carlos Pereira passou a perna ao Albuquerque, antecipando-se nos testes aéreos, os pobres do Max e do Dellinger andam ainda de chapéu na mão a pedir à ministra aquilo que o líder das horas vagas dizia estar garantido? Se estava tudo destinado para pôr os aviões a fazer experiências até ao fim do ano, para quê mandar duas lebres do partido a pedir urgência à mulher, coitada? 
Como perguntaria um antigo líder destes cavalheiros, "qual é a pressa?"
A não ser que o truque seja fazer render os aviões para garantir mais umas manchetes até à notícia final... Cada pedido de meios, manchete. Cada pedido de urgência, mais uma página.
Não é grave os tipos que gozam com esta marmelada andarem de cabeça no ar. Grave é a gente, sem querer, estar a imitá-los.
Perante este desgoverno e esta desoposição, o que é que um eleitor consciente pode fazer em 2019?! 
(Se o Blue Establishment aguentar até lá, o que é muito duvidoso.)

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Esclarecimento formal



PS-M garante que apoio do governo central ao novo hospital é para se concretizar

Nos últimos dias tem sido visível para os madeirenses e porto-santenses a incompreensível insistência, quase “alegre” com que o Governo Regional e o PSD têm procurado enganar a opinião pública pondo em causa o compromisso assumido pelo Governo da República e pelo Primeiro-ministro António Costa de apoiar a construção do novo hospital da Madeira, obra necessária e há muito esperada pela população da Região.

Pedido de audiência



JPP quer ouvir Sérgio por causa do parque do Hospital


Solidariedade





Vida Municipal



O nosso K-Autárkiko volta a atakar com mais umas perguntas





K-Saúde zurze Secretaria da Doença



A TRÍADE que apunhala a Saúde



(4 pequenas notas sobre a actualidade)




VERGONHA NO 'JORNALISMO'





ELE NÃO SABE O QUE É LEVAR
UMA CONFIDÊNCIA PARA A 'COVA'







'Eu e os políticos' é o título de um projecto nauseabundo e repulsivo prestes a ser lançado no mercado livreiro por um sujeito que nos enganou durante décadas. José António Saraiva travestiu-se de jornalista há 3 ou 4 décadas. Aproveitou então a confiança que lhe deram para dirigir o 'Expresso' - e mais recentemente o 'Sol' - para extorquir histórias pessoais a figuras que foram passando pela 'política à portuguesa', como ele dizia, e metê-las agora nas imundas páginas que andou a preencher.
Só não renego à condição de leitor do 'Expresso', desde os anos 70, porque dentro do jornal sempre houve profissionais que, pelo seu comportamento idóneo dentro dos parâmetros do jornalismo, devem ter desencorajado tamanho 'caçador de escalpes', este Saraiva ávido de descobrir 'carecas', de infectar o seráfico semanário com as suas doentias tendências para o voyeurismo.
Já em 2006, o 'escrevinhador de faca e alguidar' publicou 'Confissões', livro que andava à roda de conversas em almoços com políticos conhecidos, os quais, na altura, não podiam deixar de mostrar confiança com o sr. director do 'Expresso'.
Está anunciado que o texto deste "Eu e os Políticos" é 'muito polémico' e mostrará histórias de espantar, com base em confidências feitas inclusivamente por notáveis já mortos! E sem descurar pormenores da actividade sexual dos confidentes!
O energúmeno da pena chama-nos imbecis com essa utilização de histórias do passado. Ele pode inventar as cenas mais escabrosas - já que os visados não podem vir a 'este lado' desmenti-las.
O caso saraivano devia ser levado para o lado da palhaçada, porque não passa disso. Ninguém levará o tipo a sério. Mas só a ideia dele, sacrificando a decência às vendas do 'best seller', já é do mais abjecto e condenável que se poderia imaginar.
Agora, vem o cavalheiro justificar-se: o respeito pelas confidências tem período de validade. Ou seja, ele estipulou que, a partir de x anos, pode escarrapachar o que lhe contaram 'off the record' os que acreditavam na respeitabilidade do jornalista. Incrível! Este indivíduo não sabe o que é a validade de 'levar um segredo para a cova'.
Com esta porcaria de livro, ele apenas conseguiu uma coisa: surpreender. E deixar-nos de pé atrás com determinadas 'notícias' que ao longo de décadas consumimos nos dois semanários portugueses dirigidos por ele.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Segredo de Estado




É bom que os castelhanos não sonhem
que estamos sem lancha nas Selvagens




Depois da coboiada nas Selvagens, volta quase tudo à estaca zero.



A Polícia Marítima traz de volta para o Funchal a lancha semi-rígida que tinha sido destacada para fazer vigilância nas Ilhas Selvagens, ao serviço da soberania lusa. E a lancha está de volta porque agora deram com a inexistência na Selvagem de uma rampa onde varar a dita. 
Como se sabe, não seria a primeira embarcação ancorada a despedaçar-se contra os ilhéus em dia de temporal antigo, por aqueles lados.
Depois de, à margem das braçadas de Albuquerque em águas selvagens, o Presidente da República ter dito que, agora com a PM bem armada, o inimigo espanhol estava tramado se se aproximasse, este é de facto um rude golpe na estratégia de defesa do solo pátrio. Sem lancha pronta a navegar, como é que os agentes vão perseguir os piratas canários das lapas ou algum navio de guerra que os castelhanos enviassem para invadir os nossos penhascos? É certo que as autoridades do Funchal têm propalado nos seus jornais não ter medo nenhum do invasor. Mas... mesmo que não servisse para vencer uma guerra, é sempre de bom tom exibir no teatro de operações uma lancha semi-rígida, a boiar. 
Veja-se: o que uma patrulha do IN não gozará ao rondar as Selvagens e não se deparar nem sequer com uma canoazinha de pavilhão verde-rubro hasteado? "Entonces, los lusitanos no tienem..." - e fico por aqui para não imitar o Jesus.
Sem querer, tudo isto faz lembrar a piada do rapaz que, depois de lhe fazerem os testes todos para fuzileiro naval e lhe terem finalmente perguntado se sabia nadar, respondeu muito depressa com outra pergunta: "Nadar para quê, vocês aqui não têm barcos?"
Como diz o outro, nesta terra temos a SPAD na Rua do Matadouro; um hostel na Praça do Município; uma carga de boémios na Quinta das Angústias; e agora uma força naval sem barco!

Segunda-feira próxima


Inauguração do Espaço Paulo Martins





É inaugurado na próxima segunda-feira, dia 26, pelas 18 h,  o Espaço Paulo Martins. Esse Espaço - que terá o nome do Comendador da Ordem da Liberdade e ex-Deputado da UDP e do BE, que foi também um dos fundadores da UPM (União do Povo da Madeira) - será uma sala destinada à realização de Conferências, Tertúlias, Sessões Públicas, Exposições e outras atividades de âmbito cultural e político. O Espaço Paulo Martins - que funcionará na Rua dos Tanoeiros, 43 - poderá ser cedido a quem o solicitar para a realização de conferências, debates ou outras atividades promotoras do exercício da cidadania ativa e da cultura, áreas que o Paulo Martins sempre tentou promover durante a sua vida ativa. 
Esta inauguração será presidida por Catarina Martins, Coordenadora Nacional do BE,  partido do qual Paulo Martins foi fundador, dirigente, deputado e militante.
Texto BE

Comunicado: JPP rebate chefe da ERC



CONTINUA A HAVER VIOLAÇÃO
DA LEI DE IMPRENSA NA MADEIRA




'Paz podre' na Tabanca





TUDO TRANSPARENTE E REGULAR
NA COMUNICAÇÃO TRIBAL




Governo, autarquias e oposições dão cabal razão a Carlos Magno


Conferência cheia de 'transparência'.



O patrão da ERC veio aí convidado para uma conferência da UMa sobre 'Plataforma de Transparência para os Meios de Comunicação Social' e, em compensação, sentenciou que, agora sim, a comunicação social na Madeira está 'regular'. Mais objectivamente: que a situação actual da comunicação social na Madeira já está a funcionar com "normalidade". 
Vindo de quem vem, ou seja, do patrão da entidade reguladora a quem pagamos para ficar à lareira de pantufas e falar pelo ar, a leitura da situação regional vigente consubstancia um daqueles axiomas basálticos do tempo em que os animais falavam cá na Tabanca. Quando toda a gente via que era verde e tinha de funcionar como se fosse amarelo. Costume que não morreu, de resto.
Para o sr. Carlos Magno, patrão da ERC, o importante é que passaram à história os tais atritos criados amiúde na Região e que frequentemente metiam a dita Entidade ao barulho. Como se as suas funções não contemplassem as chatices do jornalismo! Assim: se terminaram com as maçadas e os sarilhos para a ERC, está tudo "normalizado" na Madeira, ponto final.
De modo que o cavalheiro, depois de um tempinho em clima temperado e azul, dobra a Ponta de São Lourenço e regressa à capital satisfeito com as conclusões judiciosas e incontestáveis que deixou na Tabanca tribal para vigorarem como lei. 
Mas... pensando um pouco, o homem tem razão. Também para as diversas forças civis da Região, as coisas na comunicação social (que não jornalismo) estão regulares e normalizadas. A paz podre impera no quotidiano mediático. Ninguém diz 'mal' de ninguém, e isso é o que se quer, para não estragar o permanente ambiente de arraial. Prova disso é que os poderes instalados, do legislativo ao executivo, passando pelas autarquias, não têm razões de queixa. Outrossim, as ditas oposições não vêem ponta por onde pegar, ao contrário do tempo em que apareciam várias vezes por dia, muitas vezes com chachadas, em todos os media e ainda encontravam motivos para se queixar dos 'vendidos' que lhes davam voz e espaço a rodos - e eram queixas à ERC, em comunicados violentos, conferências de imprensa e em espampanantes acções de rua.
Se ninguém - nem governos nem oposições - dá hoje à ERC os montes de trabalho que havia no tempo da Maria da Fonte, então, sim senhor, temos toda a 'Transparência nos meios de comunicação social' cá na Tabanca do Establishment. E passemos à edição seguinte, a contado.

PS 1 - A 'Transparência' está para durar. Sérgio Marques até acha que algum empresário maluco, pegando no JM mesmo ao preço da chuva, ainda se submeterá aos critérios editoriais que o secretário dos jornais diz serem condições de venda! Desgoverno inteligente!

PS 2 - Ainda Sérgio. O homem anda prometendo apoios aos diversos órgãos, fazendo salivar as caixas registadoras dos ditos. Fá-lo para manter o 'pluralismo' - onde é que já ouvimos esta? E a gente a julgar que já existem apoios a mais, pelo que se vê diariamente com toda a 'Transparência'! Mas acho bem que, depois de tantos anos de quaresma, boicotes e asfixia, no tempo das queixas à ERC, optem sim senhor pelos subsídios em 'massa'. 'Não há miséria que não dê em fartura.'

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Doentes a dormir só com a colcha


COELHO EXIGE INTERVENÇÃO
NO HOSPITAL DOS MARMELEIROS




O deputado do PTP Madeira, José Manuel Coelho, exigiu, esta tarde, uma intervenção urgente no Hospital dos Marmeleiros, no Monte, por este estar deteriorado e não possuir condições para atender os doentes.

José Manuel Coelho denunciou que além do hospital ser muito velho, de não haver estacionamento e profissionais de saúde em número suficiente, os serviços de lavandaria ficam muito aquém das necessidades, há falta constante de roupa de cama e batas para os doentes, que na maior parte das vezes são deitados em camas nus, sem lençóis, abafados somente com a colcha. 

Desde que os serviços de lavandaria do SESARAM foram concessionados ao Pestana, há sempre falta de roupa, segundos os relatos dos profissionais de saúde, disse o deputado trabalhista.

O PTP quer explicações por parte do secretário da tutela sobre o porquê desta falha, se a razão deve-se ao facto da empresa não conseguir dar resposta às necessidades hospitalares, por falta de peças de roupa ou porque existem dívidas do SESARAM à Serlima.

O deputado do PTP, falou ainda que os produtos de higiene escasseiam e deu o exemplo do creme hidratante que é necessário colocar nos doentes acamados e que há meses que não é disponibilizado na unidade hospitalar do Monte.

É uma indignidade submeter pessoas idosas a condições tão precárias de cuidados de saúde, finalizou o líder do PTP.

Texto PTP



Vida municipal



FINGINDO-SE DE MORTO...

A Mudança municipal do Funchal de inspiração ultra-revolucionária do BE, PT e demais adornos, com o impoluto PS que em matéria de vereação até já tem historial de perder mandatos por conta e ordem do Tribunal Constitucional como aconteceu já com Luís Vilhena (ex-mandatário de Cafôfo) e Carlos Pereira (actual líder do PS-Madeira que Cafôfo quer destronar), fartou-se de bater na anterior vereação, nomeadamente pelo alegado caos financeiro de pesada herança com que a Mudança se viu a braços. Provavelmente de tão pesado fardo que esta estrutura sectorial apresenta, é que uma primeira leva de vereadores da Mudança, inclusivamente ligados ao PS, tiveram de ser empurrados porta-fora pelo Mayor Cafôfo, para meter uma segunda fornada mais adocicada.
O então director financeiro Paulino, viu-se de calças na mão com a Mudança, e logo tratou de se fazer à vida com um partido da gerigonça municipal, e a mostrar em estilo Funchal-Leaks, as alegadas trapaças da anterior gestão de que ele próprio era o director financeiro, sendo que a sua assinatura está bem e muito documentada. Uma finura ética irrepreensível como se vê. O certo é que o ex-Vereador Calado, tem sido absolvido dos factos mais badalados que lhe imputam. Mas, como se viu, o sr. Paulino aproveitou o vagão do BE e elegeu-se deputado da Nação em São Bento, onde goza entre outras mordomias como os seus pares, de imunidade política. Sempre que o MP ou o Tribunal de Contas, o quer ouvir como testemunha quanto à anterior gestão municipal, o senhor fecha-se em copas e finge-se de morto à conta do guarda-chuva da sua confortável imunidade. O BE apenas deu guarida ao director financeiro da autarquia de Albuquerque que no entender do próprio Bloco e do restante bando de cúmplices, foi um período desastroso para a cidade. E o director financeiro? Tratava dos patinhos no Jardim Municipal, ou mondava as bermas do Parque Ecológico??Dahhh................
Talvez por isso se observe agora uma debandada sangrenta do departamento financeiro da Câmara, e a necessidade recente da Câmara anunciar novos concursos para esta área sensível, onde a purga cafofiana arrasou equipas profissionais neste e noutros departamentos. Vamos apostar que após este período perdido, as donzelas que hoje se sentem rainhas, vão todas lá sentar o respeitoso traseiro num futuro próximo, sem imunidade que as valham?

K-Kontas

Inauguração esta sexta-feira




EXPO DE MIGUEL PEREIRA




Rumores no Areal (actualizado)


TELMA SILVA DEIXA
CÂMARA DO PORTO SANTO




A 'dica' chegou agora: Telma Catarina Silva parece ter decidido abandonar o lugar de chefe de gabinete que ocupava na presidência da Câmara do Porto Santo. Desenlace que surge na sequência de relações complicadas nos últimos tempos envolvendo o adjunto da presidência, Pedro Melim.
Segundo nos contam, o adjunto entende que tem mais poderes do que o presidente e então os conflitos dispararam, porque Telma Silva não aceitou as indefinições na Câmara.
A confirmar-se, a chefe de gabinete sai do posto para regressar ao ensino, onde o presidente Filipe Menezes a tinha ido recrutar.
Notas de actualização:
1. Uma segunda versão sobre a saída de Telma Silva da CMPS sustenta que, independentemente de algum mau relacionamento no posto de trabalho, a professora tinha mesmo de ocupar o lugar na Escola de Machico no próximo ano lectivo. Portanto, a viagem Porto Santo-Machico é uma forma de resolver dois problemas.
2. Se calhar, há muita gente que continua equivocada sobre a identidade da 'passageira clandestina' na viagem às Selvagens.

Não me agarrem, se não eu fujo




TRAPALHADAS MAL BRANQUEADAS



Ah valente!


De enxada na mão, Miguel Albuquerque falava na Festa do Pêro, domingo na Ponta do Pargo, para que o presidente da Calheta Carlos Teles, de aguador em punho, mais os convivas e sobretudo os jornalistas ouvissem bem: "Quero deixar claro que, independentemente dos jogos de palavras e da retórica que seja introduzida relativamente ao aumento fiscal que potencialmente vai ocorrer na República, nós aqui na Madeira, relativamente ao imobiliário, não vamos acompanhar!"
O presidente do governo reagia aos propósitos da geringonça lisboeta de carregar nos impostos sobre quem tem casas caras. 
Como toda a gente viu, a comunicação social embandeirou em arco e pegou na valentia daquelas declarações 'de peito cheio', desatando aos panegíricos de primeira página e títulos interiores, promovendo Albuquerque ao pedestal de 'figura da jornada', - 'cagaçal' que começou ontem no DN e ecoa ainda hoje no JM.
Autonomia é isto! - resumiu quem leu e ouviu as notícias sobre o 'levantamento de rancho' do chefe do governo regional para Lisboa saber o que é bom para a tosse.
Ora, vai-se assistir ao TJ da RTP-M ontem às 9 e que é que se ouve, pela voz do jornalista de serviço? Que, um dia depois de ter desafiado a capital para a pancada, Albuquerque recuou claramente, mudando o discurso para as negociações que é preciso fazer com o governo alfacinha. Logo, até ver há aumentos, se forem decididos lá.
Isto é que é Autonomia! - continua a dizer-se hoje na campanha pública de branqueamento para salvar a face do novo sua excelência, para disfarçar que ele se encolheu. Mal sucedida campanha, diga-se. Esta é mais uma das trapalhadas de Miguel Albuquerque a que o povo já sabe a que atribuir: à falta de qualidade deste governo. Por mais que dourem a tal.
Então um presidente vai fanfarronar a plenos pulmões que com ele é assim mesmo, que avisa com toda a clareza, que vai fazer e acontecer... para no dia seguinte aparecer com olhar de cordeirinho arrependido a confessar que afinal não pode ser assim, que o que haverá a fazer é usar "expedientes" e levar o assunto à ALM que tem poderes para adaptar leis...
Então a ALM tem poderes para mudar as leis nacionais que quiser? Era bom, era.
Trapalhada em cima de trapalhada.
O mais interessante é a preocupação que vemos por aí de não deixar magoar o nosso chefe do Blue Establishment e seu governo. Enquanto ele metia os pés pelas mãos - mas jornalisticamente denunciado pela TV -, há quem trate de dar a volta para disfarçar a trapalhada, mas também metendo as mãos pelos pés.
O JM ainda hoje elogia a 'coragem' de Miguel, ao 'vetar' o novo imposto na Madeira: "Ainda bem que na Região não se vai entrar nesses ajustes", escreve o jornal, com uma desactualização espertalhona. O DN hoje põe nas gordas que "Expedientes" da Autonomia "afastam novo IMI" para, nas pequenas, mostrar Albuquerque a choramingar, que o que fará será "na medida do possível" e que tentará "suster esse aumento". Mas, para que conste, lê-se ainda no artigo - não assinado - que o rei vai pôr os 3 mosqueteiros em S. Bento a fazer barulho. Importante, o País já treme. 
Estas trapalhadas por falta de qualidade não são o pior. O pior é estarmos sujeitos a elas mais 2 anos, se o povo continuar adormecido. 
Retórica!