sexta-feira, 29 de novembro de 2013

MOÇÃO AO CONGRESSO




COELHO AVISA QUE O PTP
NÃO SERÁ 'MULETA' DO PS
NUMA FUTURA COLIGAÇÃO



O actual líder trabalhista vai submeter-se ao voto secreto e directo de todos os militantes na Região. (foto diariodigital.sapo.pt)



Está bem claro na moção de que é primeiro subscritor: José Manuel Coelho não aceitará repetir coligações feitas com o objectivo de, a pretexto de derrubar o jardinismo, "reforçar o Partido Socialista à custa de outros partidos democráticos". O I congresso do PTP será dia 8 de Dezembro e as regionais de 2015 andarão muito em foco nessa reunião magna.



O título da moção abre o jogo: "Organizar e agir para derrubar a direita". O Partido dos Trabalhadores Portugueses entende portanto que, "perante as alterações no panorama eleitoral, os objectivos dos partidos para as próximas regionais devem centrar-se em estratégias viradas para o derrube do PSD". Mas associa a esta ideia uma outra: a de que "existem manobras para coligações" na Madeira que visam "reforçar alguns partidos e anular outros".
O ideal - constata-se da moção encabeçada pelo líder José Manuel Coelho - seria aproveitar as divisões no PSD para derrotar o ainda partido maioritário. Mesmo que a Direcção dos social-democratas mude de rosto. Aliás, o texto apresenta "o PSD de Miguel Albuquerque" como "o partido da família Blandy e da maçonaria". Para alertar que, por sua vez, "o PS actual é o partido do grupo Éden".
Daqui sai o alerta: "Antes das eleições regionais, o PSD, com a ajuda dos partidos do sistema, nomeadamente o PS, poderá alterar a lei, retrocedendo para os círculos concelhios e reduzindo ainda o número de deputados, de modo a que possam aniquilar os pequenos partidos."
A moção a este I Congresso, a realizar no Hotel Orquídea no dia 8 de Dezembro, rejeita liminarmente uma ideia banalizada entre "os defensores de uma coligação idêntica à que se verificou no Funchal", segundo a qual ideia o PTP serve para desgastar o PSD mas não para governar.
"Não alinharemos nessas teorias", avisa José Manuel Coelho, o político insular que surpreendeu a Região e o Portugal inteiro ao arrecadar 40 mil votos nas últimas presidenciais, frente a Cavaco Silva. 
Para mais esclarecer, o texto da moção apresenta os princípios do partido quanto ao futuro, princípios voltados essencialmente para a defesa das populações. E determina: "Um governo alternativo e com o apoio do PTP terá de salvaguardar estes princípios, caso contrário não nos comprometeremos." 
Mais: "Nunca aceitaremos ser muleta de partido nenhum." 
Recado dirigido ao PS.

Publicamos a seguir, na íntegra, o texto da moção que José Manuel Coelho defenderá dia 8 de Dezembro perante os militantes do PTP.





PROPOSTA DE MOÇÃO PARA O 1º CONGRESSO REGIONAL DO PTP

Organizar e agir para derrubar a direita

A RAM vive uma situação dramática de “fim de linha”.
Há quem afirme que, desde a implementação da democracia e da autonomia, a Região nunca teve tantas dificuldades financeiras, económicas e tantos problemas sociais como atualmente. Entendemos que, apesar da situação dramática política, social e financeira que vivemos, não há termo de comparação entre a miséria que existia na década de 70 e a desgraça de hoje.
É necessário reconhecer que a democracia, complementada com a autonomia da Madeira, criou condições e oportunidades de vida que os madeirenses antes não tinham, desde habitações sociais, construção de escolas, centros de saúde, pequenas acessibilidades, vias rápidas que encurtaram o isolamento a que estavam votados muitos concelhos da região. No entanto, esta política absolutista de quero, posso e mando, assente num modelo insustentável do betão; sem qualquer política para o setor produtivo; juntamente com a destruição do tecido económico regional criou condições para que as grandes empresas engolissem o pequeno e médio comércio, não aproveitando os benefícios do regime fiscal que a autonomia nos permitiu para criar uma região de excelência na área dos serviços. 
Esta política ditatorial fez do sector do turismo uma feira de vaidades e um palco de quadros do PSD que pouco ou nada fizeram a não ser tentar igualar o turismo regional às outras regiões turísticas do país e das ilhas que nos rodeiam sem que tivessem a preocupação de manter a qualidade turística, nomeadamente no turismo ambiental, histórico, cultural e na vertente da saúde.

O que vai na Praça / sexta-feira



FORNECEDOR CORTA COMBUSTÍVEL AOS PORTOS

Esta chega-nos agora mesmo: o fornecedor de gasóleo aos Portos da Madeira saturou de calotes e já mandou aviso de que não há mais produto enquanto as dívidas - de vários anos - não forem saldadas.
A ser verdade, e julgamos que sim, temos que os rebocadores e as lanchas de pilotos, por exemplo, só vão operar até gastarem os restinhos que ainda há em depósito.
Bonito serviço! Enfim, estamos na terra dos caloteiros, a começar pelo governo, imagine-se. Aliás, Conceição Estudante, que na próxima semana irá ao Parlamento, deverá ver-se confrontada com esta gravíssima situação - numa época de pré-Festa em que os cruzeiros nos visitarão em bom número. 
De uma coisa temos a certeza: o combustível ainda é o único bem que os Portos conseguiam fiado. No mais, nem um prego algum comerciante adianta para aquele 'buraco'.
Não há dúvidas de que a política de portos aplicada na Madeira nestes quase 40 anos é o cabo das tormentas. Mas não se preocupem: quando for para pagar a sério, passem a conta aos mesmos, isto é, aos artolas dos eleitores que alimentaram isto.

A confirmar-se a situação, até os rebocadores vão 'encostar'. Aliás, nos equipamentos dos portos é tudo aos remendos, porque ninguém fia um alfinete à falida política portuária.


E ELES A DAREM-LHE COM OS POPÓS!

Por mais incómodo que seja o ruído público à volta da utilização ilegal dos carros oficiais, há quem continue a dispor de viatura, chaufer e combustível a seu bel-prazer.
Atenção que falamos de 'utilização ilegal'. Fora de serviço. O que invade o campo do peculato.
Não falamos dos carros usados em trabalho. Até pensamos que a Câmara do Funchal exagerou quando decidiu vender toda a frota dos célebres pretos. O presidente e os vereadores não podem cumprir os seus afazeres municipais no carro da empregada. Os técnicos idem. No dia em que não comparecerem no local certo por falta de transporte, vai ser o bom e o bonito. 
Em resumo, a vereação, presidente incluído, não têm tempo a perder à procura de um carro disponível. Até porque - Mudança é Mudança - não estamos a vê-los mandar um motorista às compras ou buscar o filhote à escola. Mas não que isso tenha acabado noutras áreas. Podem-se ver ainda carros oficiais à porta de escolas. Querem exemplos? A Escola da Levada. Mais um exemplo? Apel. Ainda hoje. Carros do governo regional, note-se.
Aqui, sim, tem de haver mão pesada. Porque não há necessidade, como diz o outro. Além das despesas com dinheiros públicos, tal prática snob só serve para criar distâncias entre os jovens beneficiados e os colegas.  


MANDARAM AS FOTOS, MAS...

A propósito do processo que o Dr. Arnaldo de Matos moveu ao deputado madeirense José Manuel Coelho, do PTP, dissemos há dias não dispor das fotos de uma das testemunhas arroladas pelo arguido que nos pediam para publicar. Não demorou muito para nos fazerem chegar algumas fotos da testemunha em causa, por acaso do sexo feminino. No entanto, e mau grado os argumentos que nos apresentaram, de que é notícia haver no processo uma testemunha que anda muito em Bruxelas, não percebemos a relação. Assim, pela primeira vez na vida decidimos censurar a pretensão que nos apresentaram.
Como os Leitores mais frequentes sabem, pessoalizar as situações privadas vai contra os princípios do blogue 'Fénix'.

SOCIEDADES NO CAFÉ

O nosso K33 passou esta manhã frente à Junta Geral e, de uma assentada, deparou-se com 6 colaboradoras das sociedades de desenvolvimento a caminho do café. Assegura o agente 33 que as colaboradoras não se submetem a registo de entrada ou saída, ao contrário do que acontece noutros serviços, onde há controlo biométrico. 
Em todo o caso, o nosso homem elogia o espectáculo dessa como que passagem de modelos, onde se inclui - diz ele - uma ex-miss Madeira. 
Mas lá vem a crítica: já agora, as beldades deviam ficar no McDonald's mais um tempinho, para evitarem passar com as conhecidas embalagens da multinacional no meio da esplanada do Golden Gate, a mastigar batata frita ou coisa que o valha.
Nota - Não percebemos muito bem esta 'charge' do nosso agente. Mas percebemos que ele falha do ponto de vista jornalístico, ao não fazer apresentar a miss e as colegas na Redacção do 'Fénix', para lhes ouvirmos o contraditório.

ANTIGO 'OPTIMIST' DÁ BAR

A discoteca 'Optimist', que nos anos 80-90 deu brado na Marina do Funchal, submeteu-se a obras para dar lugar a uma casa destinada a trabalhar para um barco de turismo costeiro e na venda de bebidas regionais.
As fotos mostram o local da antiga discoteca, agora em obras, e o barco (de fundo envidraçado) atracado na marina, com toldo amarelo.




MAU TEMPO


SERRA QUEIMADA, MAR POLUÍDO


Baía de Santa Cruz – 29.11.13

Quando já se ouviam críticas a mais uma aviso amarelo, a forte precipitação verificada esta madrugada, na área entre a Camacha e o Porto da Cruz, veio demonstrar que a previsão do Instituto do Mar e da Atmosfera estava correta. O que está mal é o desordenamento do território.
Estas imagens mostram os materiais transportados das áreas queimadas entre a Camacha e o Santo da Serra pelas ribeiras, que desaguam na baía de Santa Cruz. Serra queimada, mar poluído.
Quase quatro anos depois da catástrofe do 20 de Fevereiro, a culpada dos estragos desta noite  foi novamente a chuva.

Saudações ecológicas,
Raimundo Quintal






MAU TEMPO



Conforme relatos nos diversos meios de comunicação social, o mau tempo tem provocado estragos entre a Camacha e o Porto da Cruz, desde a noite passada. Nesta última freguesia, a situação é trágica. 
'Fénix' solidariza-se com os nossos conterrâneos que estão a sofrer por causa da devastadora intempérie e encoraja os homens que lutam contra ela nos locais afectados. Assim como saúda as autoridades regionais e municipais que se deslocaram para o local, a fim de darem o apoio possível.

(Foto JM)

quinta-feira, 28 de novembro de 2013


IMAGENS DA BAÍA “TETRAPOLÉGICA” DO FUNCHAL - 28.11.13

Por Raimundo Quintal


01-Baía “Tetrapolégica” do Funchal com ondulação de 2m de SE -28.11.13

02-Baía “Tetrapolégica” do Funchal com ondulação de 2m de SE -28.11.13

03-Baía “Tetrapolégica” do Funchal com ondulação de 2m de SE -28.11.13

04-Baía “Tetrapolégica” do Funchal com ondulação de 2m de SE -28.11.13

05-Baía “Tetrapolégica” do Funchal com ondulação de 2m de SE -28.11.13

06 - União dos  troços finais das ribeiras de Santa Luzia e João Gomes - 28.11.13

07 - União dos  troços finais das ribeiras de Santa Luzia e João Gomes - 28.11.13

08 - Caixa de betão na foz do ribeiro da Nora - 28.11.13

09 - Quem paga a louca criação da Baía “Tetrapolégica” do Funchal - 28.11.13

10 - Cais norte do porto do Funchal com evidentes sinais de degradação-28.11.13

11 - Cais norte do porto do Funchal com evidentes sinais de degradação-28.11.13

12 - Cais norte do porto do Funchal com evidentes sinais de degradação-28.11.13


Directo


O Eng.º Rui Alves voltou à Junta Geral. Encontra-se, nesta tarde de quinta-feira, algures na zona da Secretaria da Educação.
Para falar com o titular Jaime Freitas, não é, certamente. Por um lado, o presidente do Nacional já disse que se recusa discutir com ele política desportiva. Por outro, é um facto que Jaime Freitas não se encontra no gabinete, já que participa na reunião semanal do governo regional, dentro das Angústias.
Admitimos que Rui Alves esteja reunido com Rui Anacleto, recentemente empossado director regional de Juventude e Desporto. Faz mais sentido. 
É bom que o dirigente alvi-negro se despache. Os plenários de governo pouco têm a tratar e finam-se num ápice. Caso não queira encontros indesejáveis..

Correio


Uma espécie de charada

Recebemos o e-mail abaixo com um pedido que reenviamos aos nossos Leitores, já que está fora do nosso alcance.

"Deparei-me hoje com algo curioso. No processo que o Sr. Arnaldo Matos do MRPP moveu contra o Sr. José Manuel Coelho por alegadamente ter acusado o mesmo de pertencer à CIA (o homem pede 1€ de indemnização por ofensa ao bom nome), não pude deixar de achar graça às testemunhas de defesa escolhidas pelo Sr. Coelho.
Ora, o (...) Sr. Tomás Freitas do PND (de certo também um agente da CIA, mas em vez de disfarçado de comunista disfarçado de fascista do Madeira Velha). E quem mais? Ora, nem mais nem menos do que a Dona Maria Élia de Andrade Abreu. Todas aquelas missões secretas a Bruxelas devem levantar suspeitas.
E falando nesta última, você não conseguiria arranjar uma fotografia da dita cuja? Parece ser a única figurante do conto de fadas da Madeira Nova cuja fotografia é desconhecida aos olhos dos comuns mortais como eu. Pelo que parece nem o Sr. António Fontes possui uma foto daquele poder de Deus.

Cumprimentos,
Jan Jokela"

Nota - Como dizemos acima, não podemos satisfazer a curiosidade do remetente, por desconhecermos as personagens de quem se pedem fotos. Nem sabíamos do processo judicial referido.

Política


UMA PERGUNTA PARA MIGUEL DE SOUSA


Miguel de Sousa falou bem para os que votam lá. Esperamos o mesmo quando decidir o seu voto cá.

O vice da ALM e potencial candidato à liderança do PSD-M Miguel de Sousa condena hoje no DN-Funchal os deputados social-democratas madeirenses em São Bento por não terem votado contra o Orçamento do Estado 2014.
A nosso ver, Miguel de Sousa tem toda a razão. Os argumentos do nosso Amigo estão na referida notícia. 
Nós aqui acrescentamos, para vincar o que pensamos, uma nota referente à hipocrisia não só desses deputados, com Guilherme Silva à cabeça, como do próprio PSD-M. 
Quando passa os dias a 'dizer mal' do governo de Passos Coelho, atribuindo-lhe as culpas por tudo o que de mal acontece na Região, incluindo o surto de sarna crónica no Laranjal dos Netos, Jardim, na hora de votar o OE, afirma que não está para "quixotismos". Ou seja, na hora da verdade, lá está ele despido de ilusões a - mais uma vez, mais uma vez - viabilizar Passos Coelho. De quem, recorde-se, foi mandatário e em quem, recorde-se ainda mais, mandou os correligionários votar nas legislativas nacionais. Apesar do "mal" que ele faz à Madeira.
Quanto aos deputados social-democratas em Lisboa, que tocam sempre afinados pelo inquinado diapasão jardineirista, criticando tudo o que o governo de lá faz e responsabilizando-o pela m... toda que empesta a Região, votaram a favor do OE.
[...Covardia que seria branqueada na edição de ontem do JM, através da manchete "Voto do PSD-M em defesa da Região". Porra!... Em defesa do chefe e dos interesses dos tubarões, isso sim.]
Ainda por cima, uma saga em São Bento com a hipocrisia da infalível declaração de voto. Tudo agravado com as arengas de Guilherme à TV: se fosse de outro partido, votava contra, o que significa que votou mal; que o PP não é poder na Região e então Rui Barreto pode votar contra em Lisboa, pasme-se; que, se votasse contra, o PP votaria a favor.
E certamente mais umas asneiras a chamar tontos aos madeirenses. 'Certamente' porque mudámos de canal, não conseguimos ouvir mais os putrefatos pensamentos.

Por todas as razões, achamos oportunas as declarações do Dr. Miguel de Sousa a zurzir os ouvidos de Guilherme, Velosa e companhia.
Tão oportunas que nos sentimos instigados a perguntar o seguinte a Miguel de Sousa:
- Dado que o Orçamento da Região na prática se circunscreve ao OE e agravará mais as dificuldades dos madeirenses, vai aproveitar a oportunidade para votar contra ele, na Assembleia Legislativa?


quarta-feira, 27 de novembro de 2013

O que vai na Praça / Quarta-feira



PEIXE GRAÚDO NA BAIXA



Miguel Albuquerque 'desestabilizou' a zona das esplanadas centrais nesta manhã de quarta-feira. 
Acompanhado por figuras conhecidas do meio empresarial e social que, julgamos casualmente, encontrou quando decidiu tomar pequeno almoço no 'Apolo', passou todo o tempo muito assediado por quem passava. Nem faltou quem lhe contasse problemas domésticos como se ele ainda fosse presidente da Câmara do Funchal.
Sílvio Santos, antigo deputado laranja e homem de negócios que se lançou com a Siram, era um dos convivas à mesa. 
O comandante São Marcos, figura que em tempos andou ao leme do Grupo Sousa - uma forma de dizer -, outra presença notada e que também puxou da potente máquina fotográfica, para intimidar o jornalista que batia o local. 
Outro parceiro do antigo edil na cavaqueira matinal foi Joaquim Sousa Lino, que participou como apoiante em alguns jantares de lançamento da candidatura de Miguel Albuquerque à liderança do PSD, em finais do ano passado.
Pelo meio, alguns aproveitaram para uma engraxadela, recorrendo aos serviços do profissional nosso amigo que tem banca montada na zona.
Miguel Albuquerque deixou-se fotografar com um exemplar do DN, evidentemente para fazer arreliar as Angústias. A propósito da engraxadela, vincou: "Graxa comigo, só para os sapatos." 

Próxima reunião com filiados: quinta-feira em Santa Luzia

No meio da conversa que se gerou no local, a que não tivemos acesso, o primeiro candidato à sucessão de Jardim passou-nos a informação sobre o seu próximo encontro com filiados social-democratas, no caso em Santa Luzia: quinta-feira.
Como se sabe, essas reuniões não podem realizar-se nas sedes do partido, por decisão do secretário-geral Jaime Ramos corroborada pelo chefe.
Ainda esta manhã, antes de o antigo presidente da capital partir apressado, dizendo que ia trabalhar, uma personalidade que passou no local perguntou-nos pelos resultados dos negócios de Albuquerque em Caracas, Valência (Venezuela), Frankfurt e... 
Quando a personalidade ia para chegar à Rússia, fingimos que o telemóvel tocava, pedimos licença e pusémo-nos de lado. 

Para quem não vê Miguel Albuquerque faz algum tempo, deixamos abaixo algumas fotografias registadas à esplanada, esta quarta-feira - para comprometer as figuras acima mencionadas.










terça-feira, 26 de novembro de 2013

Delícias da Madeira Nova





Jaime Freitas




SECRETÁRIO CIUMENTO









Jaime Freitas riscou antigos secretários da lista de convidados para o Congresso do Desporto, entretanto suspenso



Francisco Santos
Francisco Fernandes



Já que em peça publicada mais abaixo falámos do secretário da Educação, aproveitamos para passar aos Leitores uma curiosidade que ficou no ar, a semana passada.
A propósito da realização do célebre Congresso do Desporto, que de resultado prático só trouxe a demissão do director regional João Santos e a entrada do Prof. Rui Anacleto, uma vez que o dito congresso morreu na casca, convém deixarmos aqui um esclarecimento.
É que, uma vez 'Meio Chefe' metido ao barulho, Jaime Freitas tratou de dizer que não sabia de nada nem estava lá, que era tudo com os cabos. Para descartar as iras do chefe para o Prof. João Santos.
Ora, não foi bem assim. Jaime pode dizer que não sabia de nada, que desconhecia a ausência do futebol profissional dos painéis, pois isso pouco interessa. Grande executivo! Interessante é que pelo menos uma coisa o secretário sabia: que nomes convidados para o congresso como Francisco Santos, Francisco Fernandes, Jaime Lucas e Catanho José foram riscados da lista. Jaime sabe disso com toda a certeza, porque foi ele quem mandou riscar os nomes incómodos. 
Porquê?
Porque, no entender do actual secretário, não se devia deixar brilhar em congresso antigos titulares da Secretaria - a mesma Secretaria que, anedoticamente, um dia lhe caiu nas mãos. 
Ou seja: o ciúme vilão do titular superou o contributo que secretários e directores do passado poderiam oferecer ao debate sobre o desporto na Região.
Parvónia de uma figa! Pensar liliputiano é isto!

Alta política


MIGUEL DE SOUSA EM LISBOA
COM MINISTRO DA ECONOMIA



Não queremos armar intriga, para não 'queimarmos' o delfim junto do seu chefe, mas é curioso como Miguel de Sousa continua a encontrar portas abertas na capital tantos anos    depois de ter saído do governo.





Miguel de Sousa, vice-presidente da Assembleia Legislativa e membro da comissão política do PSD-Madeira, além de empresário, reuniu-se esta segunda-feira na capital com o ministro português da Economia, Pires de Lima. 
'Fénix' do Atlântico não conseguiu (para já) descobrir os assuntos tratados no encontro. Mas registamos a circunstância de, tal como nos seus tempos de vice do governo Regional, o potencial candidato à liderança dos social-democratas madeirenses continuar com as portas abertas nos corredores onde são tomadas as grande decisões governativas nacionais.
Se alguns secretários regionais não conseguem passar de contactos com os porteiros, nos vãos de escada ministeriais, Miguel de Sousa mantém-se em excelente forma a esse nível.
Aliás, e sem querermos 'queimar' junto de Jardim o primeiro delfim da história do PSD-Madeira, não podemos deixar de notar que Miguel de Sousa sempre beneficiou de contactos fáceis em Lisboa. Não só junto de dirigentes partidários e ministros do seu partido laranja (ele próprio esteve mais de uma vez para ser ministro) como também em alturas de governação a cargo de outras cores.
Vamos ficar por aqui com estas considerações, para não sermos acusados de ter liquidado mais um dos candidatos a líder laranja - uma vez que grande chefe não estima muito a concorrência interna.
...Muito menos vamos recordar que Miguel é muito próximo do presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, a ponto de fazerem férias em conjunto, aqui na Madeira.


PRESIDENTE DO NACIONAL
VAGUEOU PELA JUNTA GERAL 


O Eng.º Rui Alves não saiu muito bem
disposto da reunião que se presume ter sido com Ventura Garcês.



O Eng.º Rui Alves esteve reunido esta tarde na Junta Geral com um secretário do governo. 
Com qual?
Apostamos em Ventura Garcês. É que com Jaime Freitas, da Educação, o presidente do CD Nacional já disse publicamente recusar-se a perder tempo. Para falar de desporto tem de ser com quem perceba de Desporto. Por exemplo com Rui Anacleto, novo director regional que o Engenheiro, como outras figuras de topo do viver madeirense, teria gostado de ver nomeado secretário.
Mas duvidamos que tão cedo, já que o Prof. Anacleto mal tomou posse, avançassem ambos para uma reunião de tal quilate.
Como o problema dos clubes - e oxalá fosse exclusivo dos clubes - se chama dinheiro, é natural que Rui Alves estivesse no gabinete de Ventura Garcês, o homem do Plano que anda estes dias com o Orçamento entre mãos.
O nosso K54, de passagem pela Junta Geral, encontrou o chefe nacionalista a sair do edifício. E notou-lhe uma expressão fechada. Para o carrancudo. Sem sequer olhar para o agente. Tudo a indicar que, sim senhor, a reunião deveria ter sido com o secretário dos cofres vazios.


Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal 

VENDA DE LIVROS ONLINE


As publicações da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal podem agora ser adquiridas on line.

Basta aceder à página http://www.amigosdoparque.com/2013/01/venda-de-livros-online.html e preencher o formulário no fundo da mesma, escolhendo também o modo de entrega, que pode ser direto ou enviado por correio.

Apresentamos aqui 3 sugestões
, que ainda vai a tempo de comprar para a estação festiva do Natal que se aproxima, época de trocar presentes com familiares e amigos.
MADEIRA: ARCA DE TESOUROS
Madeira Arca de Tesouros
“Madeira: Arca de Tesouros” é um livro destinado ao público mais jovem. Reúne quatro histórias da autoria de Fátima Veríssimo, ilustradas por Elisabete Henriques, Eugénio Santos, Nélia Susana e Sónia Dória.

Revelam de forma bastante expressiva alguns dos aspectos mais relevantes do património natural da Madeira e incentivam às boas práticas ambientais.

MADEIRA: THE DISCOVERY OF THE ISLAND BY CAR AND ON FOOT
by Raimundo Quintal

Descoberta ING
The main objective of this book is to help the visitor uncover the hidden marvels that Madeira holds, hidden from the sight of those who choose to only explore the island by car using the new motorways.

It is specifically targeted at the tourist who wishes to see the interesting geological features and biodiversity that the island offers, without being constrained by rigid itineraries. However, the book provides the necessary information to enable the visitor to seek out the numerous delightful locations in safety.

The places and routes suggested were chosen to bring the motorised transport user closer to the footpaths. For those hiring a car, suggestions of trails are made where the beginning and end is close to a car park. Otherwise, for those using public transport there are paths that connect to the bus system. Nor has the possibility of a ride in a cable car, followed by a spur-of-the-moment walk, been forgotten.

Furthermore, the selection of paths considers the different physical capabilities of the walkers. In the description of each individual trail, a reference is always made to the degree of difficulty and danger.


Neste momento a edição em português deste livro — “Madeira: A descoberta da ilha de carro e a pé” — está esgotada. Uma nova edição está ser preparada para ser lançada no próximo. Se desejar tomar conhecimento na altura, por favor envie uma mensagem de e-mail para amigosdoparque@gmail.com

BAÍA DO FUNCHAL — DINÂMICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS
por Raimundo Quintal e Nancy Policarpo
Capa 171 EdoC Baia_Funchal
Um livro que ajuda a conhecer o passado e que apresenta sugestões para uma ocupação urbanística mais sustentável do litoral do Funchal.

Suportado por um texto que associa a riqueza informativa ao rigor científico e técnico, resultante nomeadamente da utilização das ferramentas dos sistemas de informação geográfica (SIG), este livro ultrapassa, afinal, as fronteiras da história e da ciência.

Questionando, do ponto de vista da sustentabilidade ambiental e das boas práticas do ordenamento do território, o impacto de alguns projectos urbanísticos implantados ou previstos — como por exemplo a construção de um novo cais de acostagem para navios de cruzeiro — ele é, também, um instrumento de intervenção cívica.

Delícias da Madeira Nova


O ANTI-MILAGRE DOS PEIXES

Os pobres peixinhos da lagoa estavam a embarrar nalguma armação?

Ao contrário de Jesus, que multiplicou pão e peixes e ainda fez à pressa uma boa quantidade de vinho, na Junta Geral dá-se o contrário. Há uns hereges ali que no passado fim-de-semana fizeram desaparecer metade do cardume que existia no lago à entrada sul.
Os funcionários que voltaram para nova semana de trabalho repararam no anti-milagre dos peixes. Houve quem pensasse nos vigilantes nocturnos. Teria aproveitado o fim-de-semana para se dedicarem à pesca?
Não acreditamos. Aquilo foi algum lambe-botas mais papista do que o papa que, ao ouvir as ordens de Ventura Garcês para cortar-cortar, quis mostrar serviço.
Tentaremos saber melhor. É o tempo de um dos nossos K entrar em acção. 


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Cultura


ACÇÃO DE DESPEJO AMEAÇA
CARISMÁTICA GALERIA 'PORTA 33'


A galeria 'Porta 33', no Quebra Costas, com uma história de mais de 20 anos no panorama cultural insular, vive sob ameaça de uma acção de despejo.
Tudo porque as verbas que lhe chegam por via do subsídio oficial não impedem que o atraso no pagamento de rendas remonte já aos 3 anos. 
O proprietário do prédio é um professor reformado que não aguenta mais a dívida que se arrasta e cresce. O processo de acção de despejo foi movido.
Os responsáveis pela conhecida galeria de arte procuram chegar a um acordo. Mas o senhorio chegou aos limites: negociar uma solução apenas depois de tudo pago, aquilo que está para trás. Só então haverá porta aberta para tentar salvar a 'Porta 33', de momento às portas do despejo. 

Viajar


'MEIO CHEFE' REFORÇA SEGURANÇA
'FÉNIX' REFORÇA ESPIONAGEM

Já que sua excelência quer dificultar o trabalho da nossa 'secreta', então aqui vai: este é o avião em que o homem viajou para Bruxelas. À atenção da intriga internacional.


Publicamos hoje a imagem do avião em que o Rei da Tabanca viajou domingo para Bruxelas. Isso quer dizer que aquele que mostrámos, da mesma companhia, foi posto para despistar a intriga internacional. 
Por que damos agora a imagem do avião certo?
Trata-se da primeira medida de retaliação do 'Fénix' perante a escalada de má vontade manifestada pela Quinta das Angústias contra o trabalho desta Redacção.
Depois das inúteis tentativas para subornar os nossos agentes infiltrados na gaiola das araras, os quais chegaram a receber promessas de ficha para se filiarem no PPD, viemos a descobrir que as notas oficiais de sua excelência para os outros membros do governo, informando sobre as suas deslocações à Europa, passaram a ser enviadas em envelopes fechados a sete chaves. Para nos tramar, óbvio.
Trata-se de mais uma medida para dificultar o nosso inofensivo mas honesto e necessário labor. Assim sendo, damos já um sinal de que o nosso espírito de colaboração com a segurança de 'Meio Chefe' pode levar uma cruz em cima.
À hora em que sua excelência viajava nas alturas, domingo, directamente de Santa Cruz para Bruxelas, publicávamos a imagem de um avião da 'Thomas Cook', mas não a daquele em que efectivamente viajavam o patrão do Laranjal e as outras pessoas mais atrás no aparelho.
Para quê? Para não beliscar o sistema de segurança do homem. É certo que ninguém arranjaria terroristas com pachorra para sequestrar tal exemplar da política lusitana, porém o seguro morreu de velho.
Quem não gostou dos nossos cuidados foi o nosso agente K-Ar, ele próprio, a quem foi comunicada por um comissário de bordo a última patifaria das Angústias ao 'Fénix'. 'Meio Chefe' ia lá em cima a gabar-se disso.
Ai sim? - reagimos nós. Pois hoje vai aqui o avião em que ele viajou. Para que o mundo saiba. Há-de acontecer outra vez. 
Do mal o menos, é uma maneira de promover turisticamente a Madeira. 'Meio Chefe' deslocou-se num avião que na fuselagem faz propaganda espampanante das Ilhas Canárias. Ora, se Jardim se junta à propaganda do arquipélago concorrente, espera-se que os fluxos turísticos fujam freneticamente de lá para esta pérola atlântica, aproveitando-se até da ausência do homem das Angústias.
Ao mesmo tempo, podemos respirar fundo, certos de que o nosso K-Ar não é agente duplo. Decididamente, não é pessoa para nos enfiar uma faca nas costas. Demos-lhe instruções, inclusive, para impedir 'cenas' e 'brincadeiras' na nossa delegação em Bruxelas durante a turística estada de sua excelência na capital belga. Nem que seja com recurso à polícia. Ele, K-Ar, está autorizado, em caso de dificuldade, a perguntar a Jaime Ramos como é que conseguiu fazer isso Gaula com Sérgio Marques.
Quanto ao regresso de sua excelência, é natural que regresse na cubana TAP ou então no aparelho de algum empreiteiro amigo, solução que não seria nova. No 'Thomas Cook' não deverá vir, a não ser que queira passar pela Gran Canária.


Delícias da Madeira Nova


À procura de cadeira

Com a varredura nas autárquicas de 29 de Setembro, há muita gente ainda "à procura da rolha". 
Os varridos de mais sonante nomeada e que se tornaram "desempregados políticos", expressão que grande chefe usava para ridicularizar adversários e agora cai que nem uma luva entre os seus correligionários, e ainda aqui vamos, esses conseguiram emprego. O governo é da cor e aquilo foi uma corrida das autarquias perdidas para lugarzinhos da teia administrativa do GR, criados para não se fazer nada. 
Outros, com menos peso, continuam à deriva. Como um do concelho de Machico - concelho que é grande - e que está a sentir dificuldades para se agarrar à direcção do lar de terceira lá da zona, que está para abrir, depois não abre, volta a ser falado, e nada. O homem movimenta-se nas instâncias, mas não está fácil. Se um dia conseguir lá entrar para chefe, pode usar os computadores que na junta de freguesia onde exerceu mandato é acusado de ter levado na bagagem. 

Delírios da Lusitânia


CARTAS DE CONDUÇÃO: ESCÂNDALO

Por falta de dinheiro para conserto da máquina ou compra de uma nova, os serviços dos Transportes Terrestres estão sem passar cartas de condução. O problema é de âmbito nacional, prejudicando milhares de portugueses, mas também está a atingir a Madeira, e muito.
No caso regional, a indignação alastra. Os casos de renovação da carta devido ao limite de idade, por exemplo, são resolvidos com a emissão do impresso provisório a certificar que a carta está pedida. Quem tem ido ultimamente à Direcção Regional competente recebe esse impresso com indicação de que a validade do documento expira em Maio de 2014. Mas não é líquido que nessa altura o cidadão receba a sua carta. Recebê-la-á quando as avarias no equipamento usado em Lisboa estiverem resolvidas - sabe-se lá quando.
Assim, os condutores andam munidos do papelinho provisório no tablier.
O problema maior é dos potenciais emigrantes: querem levar a carta consigo para o destino e não podem. A indignação aumenta.
Não há dinheiro para consertar uma máquina que tanto implica com a vida dos contribuintes?! 
Terceiro mundo!