domingo, 31 de janeiro de 2016

Terror nos Açores


ALBUQUERQUE AMEAÇA CONTINUAR
A 'DEFENDER' ESPOLIADOS DO BANIF


(Com a devida vénia)

Até os obrigacionistas seniores vêem as últimas continhas, agora no Santander, como activos tóxicos 


A voz off explicou que a conversa corria nos Açores. Vasco Cordeiro, chamado pelos jornalistas a dar umas respostas, estava ao lado do Miguel Albuquerque. À ilharga, uns secretários de lá e de cá, juntos de fim-de-semana a pretexto de uma grande cimeira Açores-Madeira.
Palavra que não tínhamos dado por isso. 
Julgávamos até que, sem governo aqui, a Madeira afundava.
Objectivando o paleio, ficámos preocupados quando, apertado por um jornalista metediço, Albuquerque informou estar a tratar do caso dos depositantes do Banif junto do primeiro-ministro, sem se esquecer até dos detentores de obrigações seniores. Os espoliados da antiga teta do governo regional devem ter saltado do sofá, aterrorizados, implorando:
- Por favor, não nos ajude, sr. Presidente!
É que, depois das embaixadas que periodicamente andaram pelas comunidades a pregar as virtudes do Banif - e do BES -, os que caíram na propaganda desses embaixadores certamente não querem mais nada com os diplomatas da banca nem com os artistas de outros negócios assim para o esquisito.
A sério: prospectores bancários que foram estrategicamente metidos nessas Embaixadas deslocadas à diáspora já nos disseram de viva voz que não se atreverão a voltar a Venezuelas, Miamis e South Africas. Porque a coisa está quente. Tão quente que nem aqui, debaixo da cama, se sentem seguros.
Vai daí...
Tudo para pedirmos encarecidamente aos novos reis da Tabanca que, depois de nestes anos terem 'orientado' tão bem os nossos conterrâneos emigrantes quanto à forma de 'entregar o ouro ao bandido', não se ponham com ameaças em cima dos desgraçados que possam deter ainda, agora no Santander, umas insignificantes continhas não tóxicas.
Portanto, façam lá a cimeira - ou lá o que é -, comam ananás e bebam vinho de cheiro até fartar, visitem as Sete Cidades e papem o cozido vulcânico - e, em vez de arriscarem mais palpites bancários, limitem-se a redigir as conclusões com medidas bilaterais assentes entre os governos ilhéus, daquelas que daqui a 6 meses ninguém se lembra. Ou será que alguém recorda alguma coisa concreta que resultasse das teatrais cimeiras Amaral-Jardim de antanho?

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Ai aguenta, aguenta!





O banco de Fernando Ulrich, BPI, deu no ano passado um lucro de 236 milhões de euros. Os especialistas em banca dizem que foi o maior lucro deste século. É caso para perguntar: então não nos chega nada? 
Sim, porque, quando um banco dá à costa, mesmo que o contribuinte português nunca tenha visto essa instituição mais gorda, é chamado a pagar o buraco. E então quando os bancos papam tantos milhões de lucros? Não chega nada ao contribuinte português?
Podem dizer: mas se o BPI não se acautela com o que vai arrecadando, depois pode não aguentar as convulsões que ainda estão para desengonçar a banca.
Como diz? Não aguenta?! Como é que o espertalhão do Ulrich dizia quando Passos Coelho todos os dias desancava cortes nos pensionistas, funcionários públicos e contribuintes em geral? Como é que ele dizia?
Isso mesmo.

Rota de Cafôfo


Cafôfo malha na saúde através do vírus Zika, e sem perder a boleia, chama a si a defesa do bom nome do turismo da Madeira, acusando a leviandade de certas afirmações. Meu Deus, que seria do turismo desta terra, sem haver um Cafôfo com a sua "ROTA"?
Já agora, como é que ele explicará que o programa municipal de combate ao mosquito-vector, desta e doutras doenças, esteja parado há já tanto tempo?

Kapta-Kuaze-Tudo


...No site habitual

Liceu





O Santo disserta



Desgovernando


HOSPITAL NOVO: COM MAIS UMA COMISSÃO 
AGORA É QUE AQUILO VAI!

Este é o projecto de hospital para Santa Rita pelo qual o governo regional (anterior) pagou 5 milhões de euros para logo a seguir engavetar na morgue da Cruz de Carvalho. Mas agora a coisa vai: o desgoverno (actual) não manda uma comissão para os anjinhos que não faça parir outra. 


Depois de mais uma dose hospitalar com velhotes e lares pelo meio, ontem na Assembleia, a par da mudança de mãos da obra do 'futuro' hospital de Faria Nunes para Sérgio Marques, a trepidante quinta-feira não acabou sem a populaça ficar a saber que o mesmo 'futuro' hospital conheceu novo avanço impulsionado pela espectacular criação de uma comissão tripartida no âmbito do processo em curso.
Esta comissão tripartida, com 3 Secretarias Regionais lá representadas, é a chave, de facto, para novo avanço do hospital de Santa Rita. Não vemos agora empecilho nenhum impeditivo da criação, dentro de alguns meses, de uma subcomissão quadripartida que alargue o número de cabeças necessárias para que possa ser criada, no máximo até fins de 2017, uma comissão que estude se a subcomissão era a adequada.
Para esse efeito, não seria descabido criar uma comissão com especialistas que saibam monitorizar as reuniões da comissão tripartida, que é para os seus elementos não se baldarem ao serviço. Isto não são brincadeiras levianas tipo triagem de Manchester.
Depois da comissão que há tempos, para espanto da maioria esmagadora da população, pariu a conclusão de que a malta quer o novo hospital, outro galo canta no processo em apreço. Sem esses trabalhos aturados dos comissários originais, não seria possível o espectáculo a que temos assistido no debate público da interessante infra-estrutura. E não apenas.

Os grandes avanços a que se assiste diariamente não invalidam porém que, quando as oposições rebuscarem o assunto, até porque lhes falta ideias para criar uma m... nova qualquer para criticar, João Machado, a quem em breve deverá ser entregue a responsabilidade de presidir a uma comissão que analise as alternativas para as futuras taxas moderadoras - nada disso invalida que entretanto se crie um gabinete pró-comissão de estudos, dependente da Via Litoral, sobre as vantagens de o futuro edifício de Santa Rita ser construído no sentido NE-SW, sem perigos de colisão com a via rápida.
Estamos em pulgas para ver a diligência seguinte que fará 'avançar' o novo hospital. Agora é que vai! Chega de andarmos pressionados por uma questão que ameaça tornar-se na alta mais problemática da história da Saúde na Tabanca.
  

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

TECNICALIDADES




Governo de António Costa e chefes europeus andam com as contas às avessas. Os palpites de um lado e do outro em matéria de défice público para 2016 não batem nada certo. E não apenas.
Bruxelas não entende como é que Portugal quer reverter austeridade ao mesmo tempo que aumenta despesas.
Importa que Centeno e Costa saibam o que estão a fazer, nesta resistência às pressões que já se esperava saltarem da Europa sobre Lisboa.
Para já, gostámos do encolher de ombros do nosso primeiro Costa às discrepâncias de números e défices (2,6 % x 3,4 %): "Não há problemas políticos, isso é tudo tecnicalidades."
Sempre dá para respirar... umas horas. 

Taxa de natalidade sobe na CMF



PARABÉNS À VICE IDALINA


Funcionários da Câmara do Funchal pedem-nos que transmitamos à vice-presidente Idalina Perestrelo muitos parabéns pelo novo rebento que está prestes a nascer, o segundo da autarca durante estes dois anos e pouco de mandato.
Alguns dos mensageiros entusiastas não se inibem de meter um pouco de picante no assunto, observando que, à conta do seu estado interessante, Idalina Perestrelo deixa a Câmara órfã de vice durante muito tempo, mas que pouca gente dá por isso - enfim, uma farpazinha bem humorada.
A mensagem principal é a formulação de parabéns à autarca: dois filhos em meio mandato é obra e concorre muitíssimo para melhorar a taxa de natalidade.
Embora estejamos perante uma vertente privada da nossa vice do Funchal, não podemos recusar a retransmissão dos votos dirigidos pelos funcionários municipais - fazemos até questão de agregar os nossos parabéns à mamã Idalina, e já agora ao felicíssimo papá.




                        AMNÉSIA BANCÁRIA



Quando da compra do Banif, os cabeças do Santander anunciaram que iriam melhorar os vencimentos dos funcionários do banco madeirense que continuassem no activo. No entanto, o mês de Janeiro acaba de ser pago e os ordenados surgem sequinhos, sem aumento nenhum.
Portanto, a menos que os administradores do Santander considerem que manter imutável o vencimento dos ex-Banif já é uma melhoria para eles, aqueles cavalheiros estão em falta relativamente ao que prometeram. Temos um aumento salarial... tóxico.
Bancos!

Governo regional soma e segue


ALBUQUERQUE ESTÁ NO PARLAMENTO
A ADORMECER OS VELHINHOS




O presidente do governo regional encontra-se hoje na Assembleia Legislativa Regional a falar das maravilhas do Estado social e das melhorias operadas por ele, Estado social, na vida dos cidadãos que vagueiam no Outono e no Inverno da vida. Supomos que se os lares têm a televisão ligada, os idosos que acordaram às seis da manhã estão outra vez a dormir, à frente do ecran.
A estratégia continua a ser a utilizada em todas as matérias. Responder às perguntas formuladas pelos deputados desenterrando tudo o que tem sido feito em Portugal e na Região de 1975 para cá. Ouvimos agora mesmo Albuquerque pôr em evidência a flagrante baixa de mortalidade infantil conseguida desde a Revolução dos Cravos até à data, bem como a subida em flecha da esperança média de vida, com os velhos a multiplicarem-se como cogumelos.
Quando as perguntas dos deputados são mais complexas por confrontarem governo regional com a sua acção directa, ou seja, com o que o Blue Establishment já fez ou está começando a fazer, que como se sabe é zero, o nosso novo Rei da Tabanca chuta o problema para Lisboa. Estamos à espera que eles lá...
Logo nos primeiros minutos de debate, Miguel Albuquerque oferecia-se para acompanhar Roberto Almada numa deslocação à capital do reino, a fim de lá pedirem ambos aos bloquistas de Catarina, Marisa e Mariana para influenciarem o governo socialista que apoiam, a favor de coisas práticas para a Madeira.
Portanto, quando se apontam necessidades que continuam por satisfazer, a coisa é com Lisboa. Para encher chouriço e fazer passar o tempo de debate, fala-se do que foi feito no passado.
Ora, nada do que está feito é obra do actual governo - é dos anteriores, se bem que com dinheiros sugados a Lisboa e a Bruxelas e não consequência de um modelo económico próprio e rendível.
Podem os porta-vozes do Establishment apregoar grandes medidas. Mas, por favor, anunciar a mudança da obra do futuro hospital de Faria Nunes para Sérgio Marques não revela grande progresso: embora a papelada fique mais perto de Santa Rita, a mudança não significa mais de 200 ou 300 metros, do Bom Jesus para a Junta Geral. No fundo, os bananais expropriados na zona da via rápida continuam lá, sem que uma alma lhe faça um rego ou uma manta - quanto mais as fundações do hospital!
Quando novo impasse estiver a dar na vista, daqui a dias, o chefe da Tabanca tribal que passe a responsabilidade da obra para a secretária do Ambiente, não só para ganhar mais tempo, mas também porque, depois de tanta fossada com o hospital, já é disso que a matéria trata, de ambiente. 
Já incomoda as narinas do contribuinte ouvir dizer que o governo quer fazer isto, tenciona avançar para acolá, planeia investir tanto, quer restaurar o tecto da Sé, espera receber mais x milhões da Europa, faz tenções de mandar mais outros milhões para a semilha - sempre propostas, ideias, projectos, propósitos. Quanto a obras, porra nenhuma.
Agora mesmo, Albuquerque está a responder ao deputado Gil Canha garantindo que "tenciona", até ao fim do seu mandato, "baixar os preços dos transportes marítimos e abrir concurso para a linha marítima", porque a ele ninguém lixa a cabeça, ele não deve nada a ninguém. Nós aqui também "tencionamos" ir comentando estas declarações inócuas do Establishment Azul, que estão para lavar e durar.
PS - Por razões higiénicas, não falamos agora de ferries, aviões cargueiros e mobilidade subsidiada. No Parlamento, eles continuam a falar de velhinhos e de promessas velhinhas. Para isto, Albuquerque tem uma jeiteira notável, e é por aí, e só por aí, que pode continuar a ganhar eleições. Se o nosso Amigo presidente fosse da área de Rubina Leal, obteria grande sucesso a adormecer os internados nos lares da Madeira.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

30 anos de Portugal na CEE



JARDIM DÁ CONFERÊNCIA
NA FRANCISCO FRANCO

O Presidente do Conselho de Administração da Fundação Social Democrata da Madeira e ex-Presidente do Governo Regional, Alberto João Jardim, realiza uma conferência na próxima sexta-feira, 29 de Janeiro, na Escola Secundária Francisco Franco, pelas 10:00.
O convite foi dirigido pelo Clube Europeu daquela Escola e a palestra denomina-se: “30 ANOS DE PORTUGAL NA CEE: A MADEIRA”.
Texto FSD

Pequenas-grandes coisas (2)


MAIS CONVERSAS ESCATOLÓGICAS
ACERCA DA PRESTAÇÃO MUNICIPAL


Depois de se decidirem sobre o fecha-não-fecha da Fernão de Ornelas, vão despejar água e produto adequado nos esgotos escabaçados que fazem o transeunte vomitar


Como os seus parceiros do Blue Establishment, o presidente da Câmara do Funchal faz pela vida, trata da sua carreira, e é esse o seu papel, deixemo-nos de ingenuidades. Cafôfo consegue ser 'notícia' quando fala em fechar uma rua, consegue ser 'notícia' durante as discussões artificialmente inflamadas à volta do assunto e continua a ser 'notícia', com fotos de estadista e tudo, quando se sabe que afinal não acontece nada de nada na história do fecho de rua e que volta tudo à primeira forma - e que afinal o assunto só não morreu porque no fundo não chegou a ser assunto, foi só 'notícia'.

Percebe-se tudo isso e de certo modo há que aceitar as regras desta democracia estilo Tabanca, porque o povo gosta assim. Mas é lícito lembrar o custo que a propaganda municipal traz ao coitado do munícipe, pelo que sor presidente deve acorrer uma vez por outra às pequenas-coisas da Edilidade que são grandes-coisas para o contribuinte.
Depois da conversa ontem de sentinas e latrinas públicas, prometemos não incomodar os delicados estômagos dos ilustres executivos municipais depois de mais uma que nos chega hoje aqui, esta proveniente do Bairro da Nazaré, na periferia.
O rebentamento de um esgoto na Rua da Austrália contou com o socorro oportuno de uma competente equipa da Câmara. Só que os moradores verificaram, nas últimas horas, que, resolvido o problema no local afectado, faltou fazer a limpeza pela rua abaixo, por onde a porcaria do esgoto deslizou desenfreada, impregnando-se nos passeios que é de uma pessoa vomitar as tripas - e com um pivete de fugir a toda a brida, nem que seja para se trancar na casa de banho mais próxima. 
Pode a Câmara dizer que não ouviu falar. E é capaz. Porque os moradores estão a ligar desde ontem para os serviços municipais e aquilo é "qual é o assunto?", e depois "um momento", e o cidadão fica a amarelar indefinidamente sem conseguir explicar a ninguém sequer "qual é o assunto".
Sor presidente, ainda hoje o JM conta que os cachorros vão ter resort, spa e se calhar sauna ali para os lados do Lazareto. É bom para os bichos, coitados, às vezes tão maltratados que são, mas porra, presidente, lembrem-se também de quem é gente!
É muitíssimo importante fechar ruas, apesar de as ruas serem abertas para facilitar a mobilidade geral. E o que o Dr. Fernão de Ornelas, acusado de magalómano, sofreu para abrir aquela rua ao povo e aos carros! Mas pronto, a Providência não fecha uma rua que não abra outra. Já com os WC da cidade é diferente, como dissemos, porque foram quase todos fechados e não há quem abra outros.
Lá estão nos Paços o nosso Cafôfunchal mais o Iglésias e o Bento rindo a bandeiras despregadas: Ah rapaz, quem não sabe vender fecha a loja!
E é verdade, pelo que se vê e lê nas 'notícias' quotidianas que os distintos autarcas fabricam.

País, País - Região, Região


SALVE-SE QUEM PUDER


Agora que seremos governados por uma Geringonça institucionalmente guiada por um Catavento que se move à louca mesmo em tempo de calmaria, é caso para encomendarmos as alminhas ao Criador. Mas não apenas por causa dos novos mandantes de São Bento e de Belém.
A Oposição também está pelas peles. Completamente baralhada. Enquanto António Costa inventou na política mundial a arte de ganhar eleições de onde sai copiosa e vergonhosamente derrotado, a ex-coligação de direita partiu-se em mil pedaços e continua atordoada com a derrota que sofreu nas eleições que venceu.
Depois, é Jerónimo de Sousa e seus próximos a insinuar que a falta de notoriedade de Edgar Silva foi a grande razão a puxar o PCP lá para baixo, quando a queda livre do partido que vem de há uns tempos é que arrastou Edgar para o fundo.
Enfim, salve-se quem puder.
Ao nível regional, vemos toda a gente contente, de ponta a ponta do espectro partidário e de executivos. Uma inconsciência perigosíssima muito bem blindada pelas forças coniventes.
Ainda mais prementemente, salve-se quem puder. Será pior quando tivermos de pagar aqueles milhões todos por causa do compadrio na concessão das inspecções automóveis e outros gatos ainda escondidos nas gavetas por abrir do velho regime.
...Olha-olha a Oposição parva de espanto com esta história da indemnização pornográfica por conta do compadrio no Centro de Inspecções! Não ouviram dizer nada?

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Despedida do General


AQUELES 14 EUROS 
NÃO ESTAVAM NO PROGRAMA

Jardim resolveu fazer uma oferta ao homenageado... mas pelo discreto processo de continhas do Porto. Conclusão: os convivas, desprevenidos, tiveram de inventar no ex-Centro de Massagens 39 euros cada qual, jantar+prenda

Na sua qualidade de presidente da Associação de Auditores de Defesa Nacional, Brazão de Castro organizou merecida homenagem ao Major General Marco Serronha, que em Fevereiro se despede do cargo de Comandante da Zona Militar da Madeira.
Assim, compareceram sexta-feira passada no Só Espeto, antiga Casa das Massagens, Porto Novo, perto de 30 pessoas, muitas delas sem alguma vez terem feito o curso de auditor, segundo desconfiança de alguns dos circunstantes. Mas oxalá tivessem aparecido muito mais pessoas, 'doutoradas' ou não. A dolorosa, dividida por mais gente, sairia mais barata.
A espetada, o vinho e os sumos custaram 25 euros a cada um dos comensais. Não sendo aí, ainda assim, que a porca torceu o rabo. O choque deu-se quando se soube que era preciso cada qual desembolsar mais 14 euros... para pagar a salva de prata que o ex-rei da Tabanca decidira oferecer ao Major General. 
Os gurus da antiga Madeira Nova se calhar já sabiam da 'bomba' que os esperava - e estavam lá ex-secretários regionais como o próprio Brazão, Rui Adriano, Jaime Freitas, deputado Carlos Rodrigues, o viajado Gonçalo Nuno, assessores e adjuntos de Jardim nas Angústias. 
Mas se acaso esses estavam preparados, os demais apanharam aquele abalo de um total de 39 euros por uns bocadinhos de carne e 2 ou 3 copos. 
Ainda bem que não havia cardíacos no grupo.
Porque nem toda a gente estava preparada para largar quase 40 euros do pé para a mão. Foi uma confusão - uns a pedirem 5 euros a este, 10 euros àquele. 
Houve quem comentasse: os cursos de defesa nacional deviam incluir uma disciplina de defesa contra a forretice do ex-chefe, que não se emenda.
De facto, quem em 40 anos nunca se habituou a puxar da carteira, como é que pagaria agora salvas de prata, fotocópias e livros?!

Ex-Meio Chefe ressabiado


A FUNERAL E A CASAMENTO NÃO VÁS
SEM SER CONVIDADO


Domingo passado, realizou-se uma cerimónia fúnebre num dos cemitérios da cidade, em que deu na vista, não a presença do antigo presidente do governo regional, mas o seu distanciamento da capela e abandono do local assim que reparou no padre que presidia às exéquias. Tratava-se ninguém menos do que o 'desalinhado' pároco de São Roque José Luís Rodrigues, figura da Igreja e da Sociedade insular que nunca se vergou ao tradicional conluio entre a diocese e o laranjal madeira-novense, ou seja, entre os bispos da 4 Fontes Santana-Teodoro-Carrilho e o ex-Meio Chefe que dominou isto tudo durante 40 anos.
Em 2014, quando ainda em funções executivas, o antigo rei da Tabanca abandonou a cerimónia de casamento da sua eurodeputada Claúdia Monteiro, que corria na Igreja de São Roque num sábado à tarde, quando o padre José Luís se preparava para fazer a homilia do estilo. 
Porta fora do templo, ala que se faz tarde!
Desta vez, foi parecido. 
Quem mais ficou com cara de espanto foi o antigo secretário da Educação, Francisco Santos, presente nas cerimónias, que nada deve ter percebido sobre o porquê de o seu antigo chefe desandar do local. 
Moral da história: ex-Meio Chefe continua com muitas contas para ajustar.

Pequenas-grandes coisas


A CÂMARA TEM FEITO TANTO
MAS AINDA HÁ UMAS 'NECESSIDADES'


Isto aqui é a esquina da Rua Padre Gonçalves da Câmara com a 5 de Outubro, onde antigamente a populaça podia fazer o seu chichi.


Ao contrário do que costumam dizer os politólogos, as obras que não estão à vista também podem dar votos. Depende da ocasião



Para situar, retomamos um artigo de opinião que lemos segunda-feira no diário centenário segundo o qual... Perdão, não é esse artigo. Segunda-feira era o presidente Cafôfo a dar a sua opinião abalizada sobre a excelente estratégia montada pela Câmara do próprio Cafôfo para levar em frente uma carga de projectos que farão do Funchal um sucesso turístico até 2017.
Queríamos evocar, sim, um artigo da véspera, domingo, onde se podiam ler elogios ao trabalho desenvolvido "pelo executivo liderado por Paulo Cafôfo". Antes do mais, vamos mais longe: não só concordamos com os elogios ao executivo liderado por Paulo Cafôfo como tornamos esses elogios extensivos ao próprio Cafôfo, já que o presidente tembém deve ter dado alguma ideia, bitaite ou palpite sobre esse "trabalho desenvolvido". Depois, queremos fazer notar a isenção de mais este artigo em louvor da Câmara, já que o seu autor, se bem que desempenhe as funções de chefe de gabinete do presidente do município, assina o escrito na qualidade de presidente do PS-Funchal. Como se sabe, aquilo na área socialista é chicharros para um lado, bogas para outro.
Atalhando caminho: aquele artigo serve sobretudo para o autor pôr em evidência nas páginas do DN as distinções atribuídas nos últimos tempos à Câmara e que o DN, segundo releva o articulista, pôs em evidência nas suas páginas do dia 12. Parece confuso, mas nem por isso.
Entre essas distinções, como recorda o articulista Iglésias, contam-se galardões, prémios, bandeiras verdes, uma praia para invisuais, além da tradicional limpeza, recolha de resíduos, reciclagem, cuidados de jardins - enfim, trabalhos de terreno que não se encontram em muitas cidades do mundo.
Vem tudo isto a propósito das queixas, imprecações e palavrões ouvidos amiúde na baixa do Funchal e que nos levam a deixar aqui um reparo: muito bem, senhores autarcas, parabéns por esses feitos todos na cidade, em que por acaso ainda não tínhamos reparado, a não ser na publicidade municipal plasmada nos muppies espalhados pela capital. Tudo isso deve ser muito valioso e merecedor de prémios. Mas... e como é que resolve o seu problema o munícipe que se vê à rasca para despachar súbitas necessidades quando em trânsito nas bem cuidadas ruas do Funchal? Os velhos berram por direitos adquiridos: se precisam de fazer chichi várias vezes ao dia, por causa da próstata e não apenas, então a Câmara deve pelo menos abrir os urinóis que sem explicações resolveu fechar.
Não são apenas os velhos, claro, porque na hora do aperto somos todos iguais. Há gente inclusivamente que fica envergonhada só de ver conterrâneos e turistas mendigarem nos cafés a chave do lugar secreto. Às vezes, é preciso fazer despesa sem necessidade.
Quando uma pessoa vagueia perto do 'metro', na Praça da Restauração, o caso está resolvido. Mas se estiver a contar com os WC da Avenida, perto do teleférico, ou com os da Rua Padre Gonçalves da Câmara, nas barbas de presidente, vereadores e assessores, o problema pode acabar a cheirar muito mal - que desculpe o mau jeito quem aguentou isto até aqui.
Vejamos as coisas com seriedade. É verdade que uma pessoa pode dar uma mijinha atrás de um carro estacionado. Sempre se fez, não armem aos santinhos. Mas isso tornou-se tarefa complicadíssima desde que Paulo Cafôfo correu com os carros da baixa para dar espaço às motos.
Não venham dizer também que se Zé Pedro Pereira se desenrascou às mil maravilhas, qualquer funchalense pode fazer o mesmo. Não senhores. A frota  da PSP não é assim tão vasta e não vai aparecer um creme nívea à mão sempre que o cidadão tiver uma necessidade.
Andar algaliado ou com um bacio debaixo do braço? Não brinque com a gente, sor presidente.
Despedimo-nos com um aviso: é possível que os senhores autarcas estejam a reservar as obras nos WC para inaugurar para o ano, em cima das eleições municipais. Vê-se que já houve obras, só que persistem os letreiros 'fora de serviço'. Ora, se deixam isso para o ano, a aflição do pessoal que passar ali logo a seguir à inauguração, depois de andar a rebentar tanto tempo, provocará sem dúvidas nenhumas uma cheia na Ribeira de Santa Luzia que levará a dupla foz junto da Casa da Luz pelo mar dentro.  


RIBEIRA DA PONTA DO SOL

ESTRADA, ESTALEIRO, DEPÓSITO DE INERTES, VAZADOURO OU CURSO DE ÁGUA?


Funchal, 26.01.2016
Raimundo Quintal



ORQUESTRA ACADÉMICA | FÓRUM MACHICO
ACADEMIC ORCHESTRA

A exemplo do ano anterior, o Núcleo Regional da Madeira da Liga Portuguesa Contra o Cancro e o Conservatório – Escola Profissional das Artes da Madeira – Eng.º Luíz Peter Clode, promovem um Concerto de Solidariedade da "Orquestra Académica" no dia 29 de Janeiro de 2016, pelas 21h:00min, no FÓRUM MACHICO.
O evento tem um cariz solidário. As entradas custam 5 € para os adultos e 2 € para as crianças, sendo que todas as receitas revertem para a luta oncológica.

Bilhetes à venda no Núcleo Regional da Madeira da Liga Portuguesa Contra o Cancro (NRM – LPCC), Delegação de Machico do NRM – LPCC, Fórum Machico e no Conservatório – Escola Profissional das Artes – Eng.º Luíz Peter Clode.

APEL


CONFERÊNCIA SOBRE MEIOS ALTERNATIVOS
DE RESOLUÇÃO DE CONFLITOS NO FUNCHAL


O Governo Regional da Madeira, através da Secretaria Regional da Inclusão e Ação Social, em parceria com a Escola da APEL, o Centro de Arbitragem da Universidade Autónoma de Lisboa e a Consulmed – Associação Nacional de Resolução de Conflitos, vai realizar uma conferência subordinada ao tema: “Meios Alternativos de Resolução de Conflitos: Um Contributo Para a Paz Social”.
A conferência realizar-se-á no próximo dia 29 de janeiro, pelas 10 horas, nas instalações da Escola da APEL na cidade do Funchal.
Para além da Secretária Regional da Inclusão e Ação Social, Dra Rubina Leal, intervirão o Padre Fernando Gonçalves, Diretor da Escola da APEL, Carlos Cardoso, Diretor Executivo do Centro de Arbitragem da Universidade Autónoma de Lisboa e Carla Matos, Vice-Presidente da Consulmed – Associação Nacional de Resolução de Conflitos.
A conferência finalizará com uma mesa redonda, onde se discutirá o tema em apreço, na qual participarão entidades como a ACIF – Associação de Comércio e Indústria do Funchal, o Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do Funchal e o SITAM – Sindicato dos Trabalhadores de Escritório, Comércio e Serviços.
No decorrer da conferência será anunciada a abertura de um polo do Centro de Arbitragem da Universidade Autónoma de Lisboa, uma rede intermunicipal de mediação de conflitos e a divulgação de uma oferta formativa de mediadores de conflitos na Região Autónoma da Madeira.
Trata-se de um projeto vanguardista na área da justiça, único em toda a Europa e que a RAM acolherá a muito breve trecho.

O Departamento de Comunicação da Escola da APEL

Prisma PS





Aí vem ele


OBRAS NO SAVOY

Imagem capturada esta segunda-feira

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Corrigir injustiça social


JPP leva à Assembleia discussão 
sobre passes para estudantes universitários



Texto e foto: JPP

Presidenciais


A PRAIA DE EDGAR É OUTRA

Voto (in)útil em Sampaio da Nóvoa, imparável vaga bloquista vs derrapagem do PCP e falta de notoriedade nacional acentuaram a falta de estilo do intenso activista partidário madeirense para tratar das flores em Belém   





Edgar Silva é um político de terreno. Um activista partidário como poucos em Portugal. O eleitorado evidentemente não lhe reconheceria perfil para calçar as pantufas e ficar em Belém a dirigir os jardineiros no tratamento dos jardins.
O resultado de ontem ao nível nacional não se deve porém somente ao estilo do dirigente comunista. Nem apenas à falta de notoriedade no Rectângulo. O voto (in)útil em Sampaio da Nóvoa foi péssimo para as aspirações de Edgar Silva. Assim como o tempo de derrapagem que o PCP atravessa. E bem assim o crescendo da vaga bloquista, na crista da moda fracturante europeia no espectro da esquerda.
A comunicação social nacional também não foi muito com a cara de Edgar. As análises levavam pouco em conta o candidato oriundo da Madeira. As tendências filosóficas das sondagens também o prejudicaram.
Vistas as coisas com frieza, Edgar Silva deu uns passos atrás na caminhada que julgávamos perto de lhe proporcionar o cargo de secretário-geral nacional do Partido Comunista. São as regras democráticas. As eleições são sempre um risco. Quem vai à guerra dá e leva. Às vezes, leva-se muito muito mais do que se dá.
Com esta aventura, Edgar adiou a carreira. Os banhos de multidão organizados pela máquina de Jerónimo souberam a pouco. O gostinho não voltará tão cedo, presume-se.  
Há porém uma leitura de resultados regionais que deixa boas recordações. Como acontecera com José Manuel Coelho na eleição anterior, talvez com mais impacto ainda, o candidato madeirense foi profeta na sua terra. O que é obra, sendo candidato dos comunistas. 
Emfim, os votos na Região permitem pôr em dúvida se o madeirense é mesmo o pior inimigo do madeirense.  

O Santo e o caso das Inspecções



domingo, 24 de janeiro de 2016

País de foliões


MARCELO PRESIDENTE

O POVO MUDA DO VELÓRIO
PARA O FORROBODÓ NACIONAL





Só para evitar um escândalo internacional é que o eleitorado luso não se atreveu a meter em Belém o nosso Tino de Rans. Vontade não faltou, para a gente passar 5 anos de gozo assumido. Sim, está percebido que a populaça já não acredita na classe política das subvenções vitalícias, dos traumas pessoais e da incompetência. Então, ao menos gozemos o pratinho possível, cobrando aos eleitos um espectáculo que divirta os chatos serões em crise que se avizinham.
Os primeiros resultados indicam o que se temia: Marcelo Rebelo de Sousa à 1.ª volta. Depois dos 10 anos de velório cavaquista, vamos espatifar o ambiente com um catavento em Belém. Cá para nós, a mudança não é má.
Estão garantidos 10 anos de meteorologia à portuguesa: prometer chuva para dar vento; indicar o Norte quando a ventania sopra para Sul; à catavento.
Marcelo é uma garantia de 5 anos de factos políticos que só lembram ao diabo. Arranjar problemas onde eles não existem, para quebrar a pasmaceira. Comprar guerras quando for preciso mandar este País de masoquistas ainda mais para a fossa.
E pronto. Estas Presidenciais não merecem mais caracteres.
Já nos vemos, porque o homem não vai sentar-se no Palácio sem mostrar, com estrondo, que já chegou.
Satisfeito com esta m..., António Costa?

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Propaganda estrábica




NOVA MADEIRA VELHA
NÃO ESTÁ A SER JUSTA






Quando é que a renovada Tabanca e o seu asfixiante sistema de marketing deixarão brilhar o turismo das ilhotas mais ínfimas do Arquipélago?


Numa espreitadela hoje à corrida sem tréguas para ver quem detecta mais sectores em que a Região melhora diariamente a olhos vistos e para também definir quem mais propagandeia uma governação da tabanca cheia de êxitos cá dentro e lá fora, fazendo da Madeira o melhor paraíso do Planeta e arredores, seja de que ponto de vista for - o que é que fomos detectar nesse relance, no meio dos hinos à Administração Pública que vai ser mais moderna, às personalidades da parvónia que fazem furor lá fora - certamente impulsionadas pelos novos ventos nas Angústias e nas autarquias -, aos impostos que hão-de baixar - por obra de Lisboa, mas isso não é relevante -, ao sucesso das nossas eurodeputadas na fina flor de Bruxelas, ao prestígio súbito de Carlos Pereira na alta-roda política alfacinha, aos hotéis da Madeira que são dos melhores do País (só mesmo os renovadores do ex-delfinato para ter hotéis desses), aos institutos que Susana cria em prol das florestas e da Natureza, à situação "mais favorável" dos trabalhadores, clara e indiscutível, aos aplausos na beira-mar às políticas do surf - no meio de todas estas proezas da nossa Nova Madeira Velha, que até nos fazem perder o fôlego, que fomos encontrar? Isto, por acaso no JM: que a Madeira pode orgulhar-se de ter registado em Novembro a ocupação hoteleira mais elevada do País, com 80% de camas preenchidas.
Aqui discordamos, pela desafinação do hino à hotelaria da Madeira. Sabemos, de fonte segura, que a cabana rural existente no Bugio, com lugar para duas pessoas, vem registando uma ocupação total, permanentemente, obrigando turistas dos iates a dormir nas respectivas embarcações ou a recorrer à hotelaria da Madeira, Porto Santo e Lanzarote.
Assim sendo, devíamos reivindicar outro dado estatístico mais categórico: as Desertas registam uma ocupação hoteleira a 100%, pelo que estão no topo do ranking nacional e internacional.
Mas é claro que as ilhas maiores predominam sempre em prejuízo de quem é pequeno...

Cafôfo on the road



Mais uma webletter com a chancela do correio-electrónico da CMF para os seus trabalhadores, autarcas e sei lá que mais. Hoje encerra a campanha para a presidência da República, mas o Cafôfo já iniciou neste mês, a pré-campanha para quem o quiser "recauchutar" para as eleições autárquicas do próximo ano. Já agora, que se lembre de colocar o capacete, em nome da segurança rodoviária, pois a pedagogia não é só colocar criancinhas a recolher beatas de tabaco no chão.
Kapta-Tudo

Nota - O site da 'rota' é o habitual


quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Terceiro mundo




Ainda o cartão de residente... e a mobilidade


Pedimos a atenção dos Leitores para esta peça que nos enviam sobre o malfadado cartão de residente (no Porto Santo) - para viajar mais barato na Porto Santo Line. 'Atestado' que foi criado 'à louca' e agora morre. 
Mais abaixo, reproduzimos o Decreto Regional saído ontem sobre a famigerada mobilidade emvolvendo as ilhas. Vale a pena ler o estenderete, para se poder falar com conhecimento de causa.


PSL DEVERIA SER OBRIGADA 
A APAGAR IMEDIATAMENTE 
A BASE DE DADOS !



1) No ano passado a Junta de Freguesia passou atestados para efeitos de cartão de residente da PSL, apesar de alertada para a ilegalidade do mesmo.

2) Este ano, anunciou publicamente que não seriam entregues atestados para tal porque o cartão era ilegal.

3) No entanto, após uma reunião (onde pelos vistos se negoceiam coisas ilegais ao estilo "Máfia no bom sentido" do AJJ) eis que permitiu que a ilegalidade continuasse e que a PSL constituísse uma base de dados...

TRISTE FIGURA DE TODOS OS QUE CONTRIBUÍRAM PARA ESTA MISERÁVEL SITUAÇÃO! DEMITAM-SE 



Atenção ao Diário da República de ontem. Muito interessante o art. 7.º referente à prova da qualidade de residente para obter o reembolso: o cartão de cidadão basta!



Desrespeito no Oeste



FECHAR ESTRADA NOS CANHAS
É UMA BARBARIDADE


O descontentamento generalizou-se nos
Canhas de há uns dias para cá. E com
todo o fundamento.


Não sendo muito dado aos comentários jornalísticos, desta vez não posso deixar de escrever. Penso que o direito à indignação é um dos poucos que ainda nos assiste…
A indignação prende-se com o fecho, total e absoluto de uma das artérias mais importantes do Concelho da Ponta do Sol, aquela que liga a Vila e toda a zona Este da ilha à freguesia dos Canhas.
O Governo Regional resolve fechar a estrada, sem nenhuma consideração pelos cidadãos que aí vivem e que diariamente se deslocam, à Ponta do Sol, à Ribeira Brava e/ou mesmo ao Funchal.
Pensaríamos nós, na nossa inocência, por uns dias, mas não! A estrada ficará fechada por 1 ano.!!! 1 ano? Quem tem o direito de fechar uma estrada tão importante por tanto tempo?
Não seria de equacionar alternativas viáveis como o trabalho noturno? Por períodos segmentados do dia? Circulação alternada? Qualquer solução seria melhor que um fecho completo…
Sim porque ninguém no seu perfeito juizo poderá acreditar na solução da "ponte". A construção de uma ponte seria não a alternativa mas o proprio projeto. Loucuras...
Agora fechar totalmente, durante tanto tempo. Demostra uma falta de consideração com os cidadãos. Parece medida de regime feudal, onde as decisões partem de um gabinete. Onde não há democracia, muito menos uma democracia participativa.
E onde para a Camara? Que nos interessa que o Presidente apareça nas camaras de televisão com um ar entristecido? O que gostaríamos é de ter um Presidente da Câmara forte que tivesse força para encontrar alternativas e soluções que fossem ao encontro às necessidades básicas dos seus munícipes. Como de ir trabalhar, ir à escola, um acesso rápido aos hospital em caso de necessidade.
O trajeto alternativo proposto, não é uma alternativa razoável. Uma estrada tão estreita não suporta todo aquele trafego, especialmente com carros estacionados na via.
Fechar aquela estrada durante um ano, não é uma solução, é uma barbaridade!
S. F.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Porto Santo


IMPEDIDO DE IR VOTAR
POR FALTA DE CARTÃO
DE RESIDENTE





Não posso ir votar… porque a Porto Santo Line distorce a lei sobre o cartão de residente e as novas directivas…
Hoje tentei marcar viagem para Porto Santo com a intenção de ir votar no próximo domingo. Foi-me dito, que mesmo com os meus documentos a atestar a minha naturalidade e residência, não poderia obter a referida passagem de residente porque não constava dos registos da Porto Santo Line.

Fiquei esclarecido de que, todos aqueles que possuíam o já contestado, desactualizado, ilegal e já extinto Cartão de residente é que poderiam viajar como residentes. Aqueles como eu e que não são tão poucos assim… com casa, família, amigos e interesses no Porto santo, por nunca lhes ter sido atribuído o Cartão de residente da Porto Santo Line, pelos inúmeros argumentos e factos encontrados como desculpa por este armador, não podem viajar na característica de residentes e beneficiar de passagens mais acessíveis. 
Para lhes ser atribuído então essa benesse, obrigam novamente os residentes em causa a irem a Junta de Freguesia solicitar novo atestado de residência. “…Fosse eu para o céu ou ganha-se o euro milhões…”, como sabia que este armador iria distorcer o que fora referido e assumido pelas entidades competentes incluindo os nossos media…Ninguém me tira da cabeça, que o armador em causa tem a coordenar esta situação delicada, algum Sr. Doutor que deveria ter atenção ao cargo que ocupa e a responsabilidade que é passar informação distorcida aos funcionários que lhe são subalternos. Depois de ter ido a reuniões e lhe ser explicado e dito como era esta situação dali em diante…Esta pessoa já não deveria estar a ocupar o cargo que ocupa…contas feitas, a porto santo line já deve estare em prejuízo com a decisão tomada em relação ao cartão de residente, assim como o próprio Porto Santo, por causa desta criação tola… 
Foram ás centenas as pessoas, que não viajaram para o porto santo depois da criação do cartão de residente, deixando-o cada vez mais num vazio, podendo ser visto todos os dias pelas ruas desertas da cidade e nem só. 
Não posso ir votar… porque a Porto Santo Line distorce a lei sobre o cartão de residente e as novas directivas, aprovadas pelos nossos Srs. deputados, secretários e presidentes eleitos democraticamente por mim e por todos os madeirenses . 
Lamento que quando se formam pessoas com cursos superiores, vão para o mercado de trabalho sem se fazer como antigamente…primeiro passavam um período de experiência pratica junto de um sénior em que lhes era dito como fazer, agir, comportar-se até saber tomar decisões delicadas, principalmente quando estas são de cariz publico e mais ainda; quando a entidade que nos dá trabalho não tem um só dono…, em que pelo meio existem dinheiros públicos.
Tenho a certeza que a continuar assim o armador actual, não está a servir o Porto Santo em nada… está sim, a servir-se a ele próprio…servir o porto santo não é criar normas tolas sem pensar em consequências…acredito ainda que, melhores dias virão, em que possamos contar com mais do que um só explorador da linha e ai então ouvir as desculpas de doutores. Os causadores de todo este mal-estar e devaneios, deveriam percorrer as ruas de Porto Santo e dizerem em voz alta que criaram um deserto e no futuro um asilo de idosos em tamanho XXL da ilha de Porto Santo com tão gloriosas normas.
Quero ver a coragem do prevaricador cruzando nas ruas de porto santo com os PROFETAS , depois de continuar a distorcer a lei…gostaria de ouvir o que nós porto-santenses lhe poderíamos dizer no momento. 


Comentador anónimo do Fénix

Conferências no Liceu do Funchal



Vida escolar



DEPUTADOS DO PS VISITAM MACHICO:
BUROCRACIA OCUPA PROFESSORES


Os deputados do PS-M, Avelino da Conceição e Sofia Canha reuniram, esta manhã, com a direção da escola EB1/PE de Machico, para conhecer os problemas com que se debatem as escolas e docentes que nelas lecionam.


SMTV - Reportagem sobre o trabalho de recuperação do Jardim Botânico José do Canto após o temporal de 15.01.2016

A reportagem realizada pela SMTV sobre os trabalhos de recuperação do Jardim Botânico José do Canto após o temporal de 15.01.2016 está disponível em (http://www.saomigueltv.com)

O vídeo também pode ser visto na página do Jardim Botânico José do Canto no Facebook (https://www.facebook.com/jardimbotanicojosedocanto/).
Saudações ecológicas,
Raimundo Quintal

Partidos da ALRAM obrigados a fazer oposição cor-de-rosa

                 

                        



PTP ao ataque

Vida partidária



Reunião com Bruno Olim, da Ordem
dos Farmacêuticos.
 

Reunião com Ricardo Gouveia, do Sindicato da Função Pública.
Texto e fotos: JPP

Nervosismo no Município


AUDITORIA DO TRIBUNAL DE CONTAS
PROVOCA REACÇÕES ESTRANHAS



Como se sabe, está a ser realizada uma auditoria do Tribunal de Contas à papelada dos mui competentes governantes municipais.
Ao que parece, os funcionários foram todos chamados ao gabinete do ilustre Vereador Miguel Gouveia para ouvir um chorrilho de ordens. Entre todas as ordens, que até consideramos normais dada a situação e inerente nervosismo, há uma que nos faz coçar o alto das nossas cabeleiras: Proibidos de entregar qualquer papel aos auditores sem antes ter o 'OK' do poderoso chefão Miguel Gouveia.
Ora bolas, uma auditoria é sempre um processo stressante! O que nos está a fazer confusão é o grau de nervosismo, que vai além do normal.

Kapta Tudo