sábado, 5 de agosto de 2017


ENTREVISTAS E TRAIÇÕES

João Barreto

O líder socialista brasileiro Leonel Brizola disse que "a política ama a traição mas odeia o traidor".
Embriagado pelo desejo de vingança e ainda dominado pelo fascínio da política, há quem apoie publicamente, contra o próprio partido que liderou, um candidato que, afinal, foi um dos que lhe infligiu a sua primeira grande derrota eleitoral.
Esquecido de que Roma não pagou aos traidores que assassinaram Viriato, acabará assim, de forma inglória, aquela que poderia ter sido, doutro modo, uma grande carreira política.

11 comentários:

Anónimo disse...

Roma não pagou a traidores mas valeu-se dos traidores.O que teria sido de Roma, sem os que traíram Viriato? Precisou de traidores, aliciou-os e também os traíu.

Anónimo disse...

O visado neste post tem umas historias que repete até à exaustão sobre traições

Anónimo disse...

A falar de traidores, só me passa pela cabeça o canalha de São Vicente, apoiado pelo traidor Humberto Vasconcelos e seu Amo Miguel Alburquece há 4 anos atrás

Anónimo disse...

processo e rua do,partido

Anónimo disse...

Sou de São Vicente, e filiado no PPD, mas desta vez quem vai ser o traidor vai ser eu.
Ensinaram-me a trair. Aprendi bem a lição .
Vou votar contra esta canalhada, com voto útil.
Cheguei á conclusão que este PSD é mesmo isto que quer. Desintegração do mesmo.

Inês Freitas disse...

AJJ ficará indelevel na história da Madeira. Para o bem e para o mal!
Foi com AJJ que, em termos de infraestruturacao material, a Madeira alcançou patamares de topo europeu. É um facto por todos verificável!
Mas, e há sempre um "mas", AJJ é e será sempre um toxicodependente. Um toxicodependente do poder, do poder puro e duro. Daí a sua imperiosa nessissidade de palco mediático. Daí a sua incapacidade para ver o óbvio: já não tem poder nem palco. Daí a sua intestina revolta interna sobre a situação política atual - o blog "renovadinhos" é disso exemplo.
Termino com a única palavra que se me ocorre quando penso no atual AJJ: "Tadinho"

Anónimo disse...

Pode não ter poder nem palco, como acontece e acontecerá com todos. E com essa realidade têm de saber lidar. Ponto final.Coisa diferente é poderem continuar a ter opinião, a optarem conforme entenderem,a falarem com base na longa experiência que tiveram, no muito que viram e conheceram,etc e tal. Pode não ter palco nem poder, mas pode e deve continuar a ter opinião e voz. Mesmo que não se goste ou concorde com as opiniões e ideias. Tadinho? Pelo amor de Deus!

Anónimo disse...

Eu também como muitos vamos trair o partido que foi tomado de assalto pelos renovadinhos e nestas eleições vamos votar Cafofo e na Oposição para em Dezembro ser convocado Congresso Extraordinário e colocar todos estes inergumes no olho da rua.
Isto é uma Onda que cresce dia a dia e no próximo ano temos um Lider Condigno no Partido que será MANUEL ANTÕNIO....

Anónimo disse...

Tadinho! Que tirada infeliz. E ainda falam no envelhecimento ativo, quando querem remeter as pessoas à inatividade. Haja sensatez e respeito.

Anónimo disse...

Manuel António irá correr com esta escumalha e colocar o partido no caminho certo.

Anónimo disse...

Like.